sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Rajoy culpa PSOE pela repetição de eleições em Espanha

O presidente do Partido Popular espanhol (PP), Mariano Rajoy, culpou hoje o Partido Socialista (PSOE) pela iminente repetição de eleições legislativas em Espanha, reiterando que propôs uma "grande coligação" e que os socialistas "nem sequer quiseram falar".

© Andrea Comas / Reuters

"O PP fez uma proposta no dia seguinte às eleições, 21 de dezembro, uma proposta de coligação, considerando que o melhor era um acordo entre o PP e o PSOE e, ainda que não fossem necessários os seus votos, aceitaríamos no acordo o Ciudadanos (centro-direita). Quatro meses depois, creio que essa era a proposta mais razoável e a melhor para os espanhóis", disse Mariano Rajoy em conferência de imprensa após uma reunião com o rei de Espanha, Felipe VI.

Os encontros de segunda-feira e de hoje do Chefe de Estado com os representantes dos partidos políticos serviram para que Felipe VI pudesse avaliar se poderia convidar algum deles a formar governo.

"Disse ao rei o mesmo que na primeira ronda de consultas: não tenho os apoios suficientes para ser candidato numa sessão de investidura", relatou o líder do PP, que ganhou as eleições de dezembro, elegendo 123 deputados.

Rajoy reiterou que "o PP ganhou as eleições e que o PSOE foi segundo, com 90 deputados", pelo que "o mandato das urnas era que os partidos se entendessem, com acordos".

"Isso não aconteceu porque o PSOE não quis. Não é que não quisesse chegar a acordo, é que nem sequer quis falar. (...) Não é normal que duas grandes forças políticas, com responsabilidades perantes os espanhóis, não dialoguem. E porque uma delas não o quis fazer", disse Mariano Rajoy.

O presidente do PP, que também é o presidente do Governo em funções desde 20 de dezembro, sublinhou que a solução de "uma grande coligação" já existe noutros países da Europa, e deu o exemplo da Alemanha, "o país com o maior PIB da Europa".

Um acordo de coligação com o PSOE seria "coerente" e formaria "um governo coerente", uma vez que ambos os partidos pensam o mesmo sobre a unidade de Espanha, sobre a política europeia, sobre política exterior e de Defesa", disse o presidente do executivo.

"Um governo com tantos apoios (mais de 200 deputados no Congresso) serviria para fazer reformas em Espanha e para muito tempo, reformas duradouras", disse o líder do PP numa referência às alterações da Constituição espanhola. No entanto, sublinhou, como o PSOE não quis dialogar, Espanha vai para novas eleições.

Uma hora antes de Rajoy apresentar a sua versão, também o líder do PSOE, Pedro Sánchez, tinha apontado a culpa ao PP - por não viabilizar um governo socialista com o Ciudadanos - e o Podemos (esquerda radical), pela mesma razão.

O PP tem 123 deputados, o PSOE 90 assentos, o Podemos 69 (juntamente com as suas confluências regionais) e o Ciudadanos 40 deputados, pelo que apenas algumas combinações improváveis garantiam a eleição de um chefe de governo numa sessão de investidura. As sondagens indicam um cenário semelhante a este em novas eleições, previstas para 26 de junho.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.