sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Rajoy culpa PSOE pela repetição de eleições em Espanha

O presidente do Partido Popular espanhol (PP), Mariano Rajoy, culpou hoje o Partido Socialista (PSOE) pela iminente repetição de eleições legislativas em Espanha, reiterando que propôs uma "grande coligação" e que os socialistas "nem sequer quiseram falar".

© Andrea Comas / Reuters

"O PP fez uma proposta no dia seguinte às eleições, 21 de dezembro, uma proposta de coligação, considerando que o melhor era um acordo entre o PP e o PSOE e, ainda que não fossem necessários os seus votos, aceitaríamos no acordo o Ciudadanos (centro-direita). Quatro meses depois, creio que essa era a proposta mais razoável e a melhor para os espanhóis", disse Mariano Rajoy em conferência de imprensa após uma reunião com o rei de Espanha, Felipe VI.

Os encontros de segunda-feira e de hoje do Chefe de Estado com os representantes dos partidos políticos serviram para que Felipe VI pudesse avaliar se poderia convidar algum deles a formar governo.

"Disse ao rei o mesmo que na primeira ronda de consultas: não tenho os apoios suficientes para ser candidato numa sessão de investidura", relatou o líder do PP, que ganhou as eleições de dezembro, elegendo 123 deputados.

Rajoy reiterou que "o PP ganhou as eleições e que o PSOE foi segundo, com 90 deputados", pelo que "o mandato das urnas era que os partidos se entendessem, com acordos".

"Isso não aconteceu porque o PSOE não quis. Não é que não quisesse chegar a acordo, é que nem sequer quis falar. (...) Não é normal que duas grandes forças políticas, com responsabilidades perantes os espanhóis, não dialoguem. E porque uma delas não o quis fazer", disse Mariano Rajoy.

O presidente do PP, que também é o presidente do Governo em funções desde 20 de dezembro, sublinhou que a solução de "uma grande coligação" já existe noutros países da Europa, e deu o exemplo da Alemanha, "o país com o maior PIB da Europa".

Um acordo de coligação com o PSOE seria "coerente" e formaria "um governo coerente", uma vez que ambos os partidos pensam o mesmo sobre a unidade de Espanha, sobre a política europeia, sobre política exterior e de Defesa", disse o presidente do executivo.

"Um governo com tantos apoios (mais de 200 deputados no Congresso) serviria para fazer reformas em Espanha e para muito tempo, reformas duradouras", disse o líder do PP numa referência às alterações da Constituição espanhola. No entanto, sublinhou, como o PSOE não quis dialogar, Espanha vai para novas eleições.

Uma hora antes de Rajoy apresentar a sua versão, também o líder do PSOE, Pedro Sánchez, tinha apontado a culpa ao PP - por não viabilizar um governo socialista com o Ciudadanos - e o Podemos (esquerda radical), pela mesma razão.

O PP tem 123 deputados, o PSOE 90 assentos, o Podemos 69 (juntamente com as suas confluências regionais) e o Ciudadanos 40 deputados, pelo que apenas algumas combinações improváveis garantiam a eleição de um chefe de governo numa sessão de investidura. As sondagens indicam um cenário semelhante a este em novas eleições, previstas para 26 de junho.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.