sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Quase 40% dos espanhóis prefere ver partido mais votado formar Governo

Uma sondagem publicada hoje no jornal La Razón revela que 39,4% dos espanhóis acredita que deve ser o partido mais votado nas próximas eleições a governar, apesar de 64,6% considerar que a situação política vai continuar estagnada.

As negociações entre PSOE, Ciudadanos e Podemos termiram sem acordo

As negociações entre PSOE, Ciudadanos e Podemos termiram sem acordo

© Sergio Perez / Reuters

Se as eleições fossem realizadas agora, o Partido Popular voltaria a ser o mais votado, com 30,1% dos votos, um aumento de 1,2%, conseguindo entre 123 e 130 deputados, de acordo com a sondagem da NC Report. Nas eleições de dezembro o PP conseguiu 123.

Segundo a sondagem, tanto o PSOE como o Ciudadanos descem na intenção de voto, o primeiro com menos 1,6 pontos em relação às eleições passadas, obtendo 20,7% e entre 80 a 83 deputados (em dezembro conseguiu 90).

O Ciudadanos perderia duas décimas, de 15,5% para 15,3%.

Se Podemos e Izquierda Unida se aliassem, obteriam 24,5% dos votos, quase quatro pontos mais que o PSOE, e entre 75 e 82 lugares.

A sondagem revela que 80,6% dos eleitores são a favor de se reduzir os prazos para a formação de Governo, enquanto 10,4% não apoia esta ideia.

Por outro lado, 72,1% apoia que se eliminem, na nova campanha eleitoral, os comícios e o envio de documentos a domicílios particulares.

Para a sondagem da NC Report foram entrevistadas, por telefone, 2.000 pessoas, com uma margem de erro de 2,24%, entre 18 e 30 de abril.

Na sequência das eleições de dezembro, que não deram maioria a nenhum partido, não foi formado qualquer Governo em Espanha.

As novas eleições estão previstas para 26 de junho.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.