sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Início da campanha eleitoral para desbloquear impasse em Espanha

A campanha eleitoral arrancou hoje em Espanha para desbloquear o impasse criado nas eleições de há seis meses com polarização entre o PP à direita e o Unidos Podemos à esquerda, que ultrapassou o PSOE nas intenções de voto.

© Susana Vera / Reuters

Os quatro principais candidatos a ocupar o lugar de presidente do governo iniciaram a campanha oficial para as eleições legislativas de 26 de junho na capital do país vizinho, Madrid, tentando convencer os espanhóis, desiludidos com a situação atual, que vão conseguir criar as condições para se encontrar uma solução governativa.

Mariano Rajoy, presidente do governo de gestão e líder do PP (Partido Popular), com 29,2 por cento de intenções de votos indicados numa sondagem publicada na quinta-feira, afirmou que o voto no seu partido é o mais "seguro" porque vai permitir um executivo "sério e estável", mas os eleitores estão descontentes com uma série de casos de corrupção nas fileiras deste partido.

Pedro Sánchez, que lidera do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), afirmou que "o futuro não está escrito, depende do nosso trabalho e escreve-se com o poder dos votos", ao mesmo tempoque minimizava a sondagem do Centro de Investigações Sociológicas (CIS) que dá 21,2% dos votos para os socialistas, que seriam, assim, ultrapassados pela aliança Unidos Podemos, com 25,7%.

Pablo Iglesias, à frente da coligação Unidos Podemos, que reúne o Podemos (da Esquerda radical, formados há menos de dois anos na sequência de manifestações populares) e a Esquerda Unida (formação que integra os comunistas tradicionais), afirma agora que pretende ocupar o espaço de uma "nova social-democracia" e que está convencido de que vai "ficar à frente do PP".

Albert Rivera dos Ciudadanos (centristas), com 14,6% de intenções de voto, coloca o acento tónico na luta contra a corrupção e promete "uma mudança para melhor".

A polarização do debate imposta pelo PP e Unidos Podemos coloca o PSOE, que conjuntamente com o PP tem alternado à frente do governo espanhol nos últimos 40 anos, na situação difícil de ter de lutar para não se tornar irrelevante na paisagem política do país vizinho.

A campanha eleitoral também será condicionada pelos avisos constante do PP contra os perigos de desestabilização que poderia ser provocada por um possível governo apoiado numa coligação entre o PSOE e o Unidos Podemos.

Na próxima segunda-feira haverá o único debate televisivo previsto entre os líderes dos quatro maiores partidos.

A Espanha está a ser governada por um executivo de gestão, com poderes limitados, desde 20 de dezembro passado, dia em que se realizaram as últimas eleições gerais e que não permitiram encontrar uma solução governativa.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.