sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Rajoy diz que terceiro ato eleitoral seria um "ridículo mundial"

O líder do PP, Mariano Rajoy, considera que a realização de um terceiro ato eleitoral em Espanha se os partidos não alcançarem um acordo após dia 26 seria um "ridículo mundial", sublinhando que tudo fará para que tal não aconteça.

© Albert Gea / Reuters

Numa intervenção hoje em Lleida, província onde o Partido Popular (PP) espera recuperar o deputado que perdeu em dezembro, Rajoy voltou a apelar ao voto útil, dirigindo-se sobretudo aos eleitores que votaram no partido Ciudadanos para afirmar que o seu voto não serviu "para nada" em 25 províncias e apelar a que a votação se concentre no PP.

Em seguida, em declarações aos jornalistas reproduzidas pela agência EFE, o chefe de Governo em funções assegurou que manterá a mesma posição de dezembro passado, quando propôs uma grande aliança ao PSOE.

Para Rajoy, se o líder socialista, Pedro Sánchez, tivesse aceitado a sua proposta, não se viveria a atual situação, em que o PSOE está prestes a converter-se na terceira força política em Espanha, sendo ultrapassado pelo Podemos.

Embora sublinhando a difícil situação dos socialistas, Rajoy considerou que o PSOE já não pode baixar mais nas sondagens pois é um partido com muitos anos de história e destacou o facto de a maioria das sondagens dar ao PP mais de 30% dos votos.

Admitindo que, ainda assim, PP e Ciudadanos não deverão, em conjunto, somar os votos necessários para formar um executivo maioritário, Mariano Rajoy voltou a insistir que manterá a sua proposta de uma grande aliança, opção que prefere à alternativa de um governo minoritário.

Aos jornalistas, Rajoy voltou a sublinhar que poderia formar-se um governo de coligação para quatro anos, transmitindo uma mensagem séria, enquanto um executivo minoritário que não consiga legislar seria uma fonte de desconfiança.

Sem querer especular sobre o que farão os seus adversários após as eleições, afirmou que se não quiserem aceitar uma coligação, pelo menos que o deixem governar -- em minoria -- por ser ele o mais votado.

Considerando que o atual sistema eleitoral em Espanha "prima pela concentração do voto e castiga a sua divisão", Rajoy insistiu na necessidade de concentração dos votos moderados no PP: "É o inteligente, o eficaz e o que nos vai permitir governar", afirmou.

"A divisão [dos votos] é o pior que pode acontecer à Espanha moderada", insistiu, sustentando que "a Espanha moderada, que não quer governos à grega e à venezuelana", ganhará aos "radicais e extremistas" no dia 26 de junho.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.