sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Cerca de 8 mil espanhóis residentes em Portugal começam a votar amanhã

Os 8.751 eleitores espanhóis residentes em Portugal inscritos para votar nas legislativas de 26 de junho em Espanha vão começar a fazê-lo já na quarta-feira.

© Andrea Comas / Reuters

O total de espanhóis que podem votar em Portugal é agora superior em quase duas centenas aos 8.578 com capacidade eleitoral nas anteriores eleições, em 20 de dezembro de 2015, e os serviços consulares espanhóis em Portugal preveem que o número de votos ultrapasse também os 1.126 votos (13,1% de participação) contabilizados há seis meses.

"Creio que vai aumentar a votação, não só porque houve uma melhor divulgação, mas também porque corrigimos algumas falhas que se verificaram em dezembro", disse à Agência Lusa o porta-voz da embaixada de Espanha em Portugal, Ramón Irribaren.

Os consulados de Espanha em Lisboa e no Porto estão preparados para receber entre quarta-feira e domingo os votos de dois tipos de cidadãos eleitores: os residentes e os espanhóis em trânsito, incluindo-se neste último grupo os viajantes, trabalhadores de curto prazo, estudantes ou turistas.

Para votar, os espanhóis residentes fora do país têm a obrigação de se inscrever no Censo Eleitoral dos Residentes Ausentes (CERA), mas não basta que estejam inscritos para poderem efetivar o voto. Têm também que solicitar, por correio ou através da Internet, por exemplo, que lhes seja enviado o boletim de voto.

Este sistema - designado "voto rogado" - e que se concretiza, na prática, na imposição de uma dupla certificação da capacidade eleitoral "não tem contribuído", de acordo com o porta-voz da embaixada espanhola em Lisboa, para melhores taxas de participação de um eleitorado já de si propenso à abstenção, por efeito do afastamento físico em relação à vida política do país.

Em dezembro de 2015 estavam inscritos em Lisboa 6.382 eleitores espanhóis, mas apenas 1.264 pessoas solicitaram o boletim de voto, ou seja, cerca de 20% dos inscritos no CERA, e destes apenas 869 consumaram o voto - 503 pelo correio e 366 depositando-o diretamente na urna em Lisboa.

Ainda assim, para as eleições de domingo, os consulados acreditam que "haverá mais boletins solicitados", disse à Lusa Ramón Irribaren, até porque esta tendência está já a verificar-se.

Para além dos inscritos no CERA, os consulados recebem também petições de boletins por parte de eleitores que não estão inscritos no organismo de recenseamento eleitoral - que estão de passagem por Portugal, por exemplo, ou que estando em Espanha sabem que estarão em Portugal no próximo dia 26.

O consulado de Lisboa "tramitou já 329 pedidos de boletins por pessoas que não estão inscritas" na capital portuguesa, número que compara com 197 pedidos em dezembro de 2015, indicou Irribaren.

Os eleitores espanhóis com condições para votar em Portugal vão poder fazê-lo entre os próximos dias 22 e 26 nos consulados de Lisboa e do Porto, entre as 9:00 e as 19:00, exceto no sábado (10:00 -- 19:00) e domingo (10:00 -- 18:00).

O número de residentes-ausentes espanhóis em todo o mundo e habilitados a exercer o seu direito de voto nestas legislativas é de 1,92 milhões, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística espanhol.

Lusa

  • Queda de avioneta em Espanha causa 4 mortos

    Mundo

    Uma avioneta com destino a Cascais, em que seguia uma família de quatro pessoas - dois adultos e dois menores - caiu em Sotillo de las Palomas, em Toledo, Espanha.

    Em desenvolvimento

  • Um discurso histórico com os pedidos de sempre
    2:30

    País

    Jerónimo de Sousa voltou este domingo a pedir a renegociação da dívida e a saída de Portugal do euro. Num discurso historicamente curto, apenas 15 minutos, no encerramento do Congresso do PCP, o reeleito secretário-geral comunista anunciou que o aumento dos salários e a reversão das alterações à legislação laboral são duas prioridades para os próximos tempos.

  • Mais de 50 milhões de italianos decidem futuro do país
    1:43

    Mundo

    Este domingo, está nas mãos de mais de 50 milhões de eleitores italianos o futuro do país. Mais do que um voto à reforma constitucional, o referendo terá consequências políticas diretas no Governo italiano. As urnas fecham às 23h00, 22h00 em Lisboa. Os primeiros resultados são esperados meia hora depois.