sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Direita espanhola mais forte com fracasso do discurso da esquerda

O diretor do gabinete de Madrid do Conselho Europeu de Relação Externas considera haver os mesmos problemas que havia antes das legislativas de domingo, mas agora com uma direita mais forte face ao fracasso do discurso da mudança política da esquerda.

reuters

"As eleições de há seis meses debilitaram o líder do PP, de direita, Mariano Rajoy, mas não o afastaram, enquanto estas lhe deram mais força", disse à agência Lusa Francisco de Borja Lasheras, que continua a não ver uma saída fácil para formar um governo estável em Madrid.

Para este analista, os eleitores foram sensíveis ao discurso do PP no sentido da importância de se manter a estabilidade governativa: "o discurso da mudança política, defendida pelos restantes partidos e principalmente pela aliança de esquerda Unidos Podemos, fracassou", concluiu.

"A eleição de ontem (domingo) é a primeira desde 2014 em que os dois partidos principais espanhóis não diminuem a sua votação", disse Francisco de Borja Lasheras, concluindo que "afinal o bipartidarismo ainda não morreu em Espanha".

PP e PSOE foram-se sucedendo à frente do governo espanhol durante mais de 35 anos, somando quase 85% dos votos e 90% dos lugares no parlamento, tendo essa percentagem sido reduzida a cerca de 50% em dezembro passado para agora subir para cerca de 55%.

Segundo o analista, "continuam os problemas anteriores" para se formar um governo, "mas com um PSOE mais débil, apesar de ganhar de volta a sua centralidade" no sistema político espanhol.

O Partido Popular, de Mariano Rajoy, foi o mais votado nas eleições de domingo, com 137 deputados, mais 14 que nas legislativas de dezembro, mas longe dos 176 mandatos que dão a maioria absoluta no congresso espanhol.

No discurso de vitória, Mariano Rajoy reclamou o "direito a governar".

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), de Pedro Sanchez, ficou em segundo lugar, com 85 lugares, enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos, que as sondagens colocavam em segundo lugar, ficou em terceiro e elegeu 71 deputados, enquanto o partido de centro-direita Ciudadanos conseguiu 32 assentos.

Apenas uma coligação do PP com o PSOE conseguirá reunir os lugares suficientes para que Espanha possa ter um governo de maioria, na sequência das eleições de domingo.

Tal como nas eleições de 20 de dezembro de 2015, os partidos estão obrigados a fazer acordos para conseguir avançar para a investidura de um presidente do Governo e, à exceção de um hipotético acordo PP-PSOE, são necessárias pelo menos três forças políticas para tal.

Lusa

  • Espanha escolhe novamente a direita
    2:42

    Eleições em Espanha

    O dia seguinte parece ter descansado os espanhóis, depois de a escolha ter recaído no PP de Mariano Rajoy, que ganhou com 33% dos votos. Os resultados das eleições não trouxeram uma maioria absoluta mas também não fazem prever mais instabilidade.

  • Espanha precisa de fazer contas e dialogar
    2:15

    Eleições em Espanha

    O PP, de Mariano Rajoy, venceu as eleições gerais em Espanha com 33% dos votos. O partido de Mariano Rajoy elegeu mais 14 deputados do que na votação de dezembro. Seis meses depois começa um novo período de negociações para formar governo em Espanha. O processo eleitoral está a ser acompanhado pelo enviado especial da SIC, Pedro Coelho, em Madrid.

  • (Quase) Tudo na mesma em Espanha
    2:44

    Eleições em Espanha

    O PP venceu as eleições gerais em Espanha, reforçou a votação em relação à consulta do passado dia 20 de dezembro, mas ainda assim ficou à quem da maioria absoluta. O PSOE resistiu como segunda força política à coligação Unidos Podemos, enquanto o Ciudadanos teve uma queda muito significativa. Mariano Rajoy já veio reclamar o "direito de governar".

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.