sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Direita espanhola mais forte com fracasso do discurso da esquerda

O diretor do gabinete de Madrid do Conselho Europeu de Relação Externas considera haver os mesmos problemas que havia antes das legislativas de domingo, mas agora com uma direita mais forte face ao fracasso do discurso da mudança política da esquerda.

reuters

"As eleições de há seis meses debilitaram o líder do PP, de direita, Mariano Rajoy, mas não o afastaram, enquanto estas lhe deram mais força", disse à agência Lusa Francisco de Borja Lasheras, que continua a não ver uma saída fácil para formar um governo estável em Madrid.

Para este analista, os eleitores foram sensíveis ao discurso do PP no sentido da importância de se manter a estabilidade governativa: "o discurso da mudança política, defendida pelos restantes partidos e principalmente pela aliança de esquerda Unidos Podemos, fracassou", concluiu.

"A eleição de ontem (domingo) é a primeira desde 2014 em que os dois partidos principais espanhóis não diminuem a sua votação", disse Francisco de Borja Lasheras, concluindo que "afinal o bipartidarismo ainda não morreu em Espanha".

PP e PSOE foram-se sucedendo à frente do governo espanhol durante mais de 35 anos, somando quase 85% dos votos e 90% dos lugares no parlamento, tendo essa percentagem sido reduzida a cerca de 50% em dezembro passado para agora subir para cerca de 55%.

Segundo o analista, "continuam os problemas anteriores" para se formar um governo, "mas com um PSOE mais débil, apesar de ganhar de volta a sua centralidade" no sistema político espanhol.

O Partido Popular, de Mariano Rajoy, foi o mais votado nas eleições de domingo, com 137 deputados, mais 14 que nas legislativas de dezembro, mas longe dos 176 mandatos que dão a maioria absoluta no congresso espanhol.

No discurso de vitória, Mariano Rajoy reclamou o "direito a governar".

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), de Pedro Sanchez, ficou em segundo lugar, com 85 lugares, enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos, que as sondagens colocavam em segundo lugar, ficou em terceiro e elegeu 71 deputados, enquanto o partido de centro-direita Ciudadanos conseguiu 32 assentos.

Apenas uma coligação do PP com o PSOE conseguirá reunir os lugares suficientes para que Espanha possa ter um governo de maioria, na sequência das eleições de domingo.

Tal como nas eleições de 20 de dezembro de 2015, os partidos estão obrigados a fazer acordos para conseguir avançar para a investidura de um presidente do Governo e, à exceção de um hipotético acordo PP-PSOE, são necessárias pelo menos três forças políticas para tal.

Lusa

  • Espanha escolhe novamente a direita
    2:42

    Eleições em Espanha

    O dia seguinte parece ter descansado os espanhóis, depois de a escolha ter recaído no PP de Mariano Rajoy, que ganhou com 33% dos votos. Os resultados das eleições não trouxeram uma maioria absoluta mas também não fazem prever mais instabilidade.

  • Espanha precisa de fazer contas e dialogar
    2:15

    Eleições em Espanha

    O PP, de Mariano Rajoy, venceu as eleições gerais em Espanha com 33% dos votos. O partido de Mariano Rajoy elegeu mais 14 deputados do que na votação de dezembro. Seis meses depois começa um novo período de negociações para formar governo em Espanha. O processo eleitoral está a ser acompanhado pelo enviado especial da SIC, Pedro Coelho, em Madrid.

  • (Quase) Tudo na mesma em Espanha
    2:44

    Eleições em Espanha

    O PP venceu as eleições gerais em Espanha, reforçou a votação em relação à consulta do passado dia 20 de dezembro, mas ainda assim ficou à quem da maioria absoluta. O PSOE resistiu como segunda força política à coligação Unidos Podemos, enquanto o Ciudadanos teve uma queda muito significativa. Mariano Rajoy já veio reclamar o "direito de governar".

  • Corpos das vítimas do acidente aéreo chegaram a Chapecó

    Acidente aéreo na Colômbia

    Chegaram esta manhã a Chapecó, no sul do Brasil, os corpos das vitimas do acidente aéreo que causou a morte de boa parte da equipa de futebol chapecoense. Depois da cerimónia no aeroporto, vai haver um velório coletivo no estádio do clube. A SIC Notícias está direto do aeroporto Chapecó. A correspondente Ivani Flora está no aeroporto a acompanhar as cerimónias. O Presidente Michel Temer e outras personalidades do estado brasileiro estão no local a prestar homenagem às vítimas.

    Direto

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.