sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Rajoy mantém esforços apesar da recusa do PSOE para coligação

O presidente do governo de gestão espanhol disse hoje que vai esforçar-se para negociar o apoio de outros partidos espanhóis do centro e da direita para formar governo até ao fim do mês, após a nega do PSOE.

© Phil Noble / Reuters

Mariano Rajoy disse, em Varsóvia, que irá "fazer o maior dos esforços" para formar um governo "estável" que "dure quatro anos" e que tome posse "o mais rapidamente possível".

O Comité Federal do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), reunido hoje em Madrid, decidiu que não irá facilitar a tarefa ao PP (Partido Popular, de direita) na formação do novo governo espanhol, recusando uma aliança ou, no mínimo, abster-se e deixar passar um hipotético governo minoritário de Mariano Rajoy.

O PP foi o partido mais votado nas eleições de 26 de junho, com 137 deputados, mais 14 que nas legislativas de dezembro, mas longe dos 176 mandatos que dão a maioria absoluta no congresso espanhol.

O PSOE ficou em segundo lugar, com 85 assentos (90 em dezembro), enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos (coligação entre partidos de esquerda radical), que as sondagens colocavam em segundo lugar, ficou em terceiro e elegeu 71 deputados, com o Ciudadanos (centro liberal) a conseguir 32 assentos.

O líder do PP e atual presidente do Governo de gestão irá manter esta semana uma série de reuniões bilaterais com todos os líderes com assento no futuro Congresso dos Deputados.

Essencial para a estratégia de Rajoy será obter o apoio dos Ciudadanos, que obtiveram 32 lugares, e que somados aos 137 do PP, asseguravam 169 deputados, um número que fica a sete deputados da maioria absoluta desejada.

Albert Rivera, líder do Ciudadanos já não veta, como dizia até há pouco, a possibilidade de Mariano Rajoy ser o próximo presidente do governo, mas aspira marcar a agenda do próximo governo com as suas propostas reformistas.

Rajoy e Rivera têm já marcada uma reunião para terça-feira em que o líder dos Ciudadanos irá apresentar as suas exigências para apoiar um governo da responsabilidade do PP.

Mariano Rajoy poderá em seguida tentar obter o apoio de alguns partidos regionais espanhóis: o CDC (Convergência Democrática da Catalunha), de direita liberal e separatista, com oito deputados, ou o PNV (Partido Nacionalista Basco), conservador, com cinco deputados.

Os membros das novas Cortes espanholas (Congresso de Deputados e Senado) tomam posse a 19 de julho.

Poucos dias depois da constituição das duas câmaras, mas sem prazo definido, o rei de Espanha, Filipe VI, iniciará as consultas com os partidos para, em seguida, fazer uma proposta de candidato a assumir a presidência do Governo.

Lusa

  • PS vai continuar a procurar entendimentos à esquerda
    1:38
  • Carlos César admite diálogo "mais fácil" com PSD de Rio
    1:36

    País

    O presidente e líder parlamentar do PSD diz que o partido não precisa de novos aliados, mas acredita que vai ser mais fácil dialogar com o PSD liderado por Rui Rio, Carlos César visitou esta segunda-feira as regiões afetadas pelos incêndios do ano passado, no primeiro dia das jornadas parlamentares dos socialistas.

  • 22 mortos devido a gripe H1N1 no Equador

    Mundo

    Uma epidemia de gripe H1N1 provocou a morte de 22 pessoas no Equador, onde estão diagnosticados perto de 500 casos, anunciou esta segunda-feira o vice-ministro da Saúde, Carlos Duran.

  • Benfica é o único clube português na lista dos mais ricos
    1:34
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC