sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Líder do Podemos avisa que PSOE se pode tornar parceiro do PP

O secretário-geral do Podemos, Pablo Iglesias, avisou hoje o PSOE que uma abstenção dos socialistas numa votação de investidura de Mariano Rajoy fará destes parceiros do PP.

© Andrea Comas / Reuters

"Se o PSOE se abstiver, está a facilitar a vida ao PP e a converter-se num seu parceiro", disse o líder do Podemos (esquerda radical) à saída de uma reunião com Mariano Rajoy, chefe do governo de gestão espanhol e líder do PP (Partido Popular, de direita).

Pablo Iglesias voltou a assegurar que "o Podemos não irá facilitar um governo de Mariano Rajoy" e pediu ao Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) para decidir "se apoia o PP, se vai com o Podemos ou se quer eleições novamente".

"Gostaria que o partido socialista olhasse mais para a sua esquerda", desabafou Iglesias, lamentando que o PSOE ainda não lhe tenha feito qualquer proposta até ao momento: "vamos ter os ouvidos bem abertos", disse.

Mariano Rajoy está a realizar uma ronda de reuniões bilaterais com todos os líderes dos partidos com assento parlamentar, à procura de apoios para formar governo.

O PSOE, o segundo partido mais votado, decidiu recusar a proposta de formação de uma grande coligação feita pelo PP e assumir-se como oposição a um Governo liderado por Rajoy, mas não é claro se poderá, através da sua abstenção ou da abstenção de parte dos seus deputados, viabilizar esse executivo.

Mariano Rajoy e Pedro Sanchez reúnem-se quarta-feira pela primeira vez depois das eleições de 26 de junho.

Hoje, Rajoy esteve reunido com Albert Rivera, líder da quarta força política mais votada nas eleições legislativas espanholas, Ciudadanos (liberal), que indicou que não irá inviabilizar um governo minoritário do PP, abrindo a porta a uma abstenção na votação de investidura do novo executivo.

O PP foi o partido mais votado nas eleições de 26 de junho, com 137 deputados, mais 14 que nas legislativas de dezembro, mas longe dos 176 mandatos que dão a maioria absoluta no congresso espanhol.

O PSOE ficou em segundo lugar, com 85 assentos (90 em dezembro), enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos (uma aliança entre partidos de extrema esquerda que inclui o Podemos) ficou em terceiro e elegeu 71 deputados, com o Ciudadanos a conseguir 32 assentos.

Os membros das novas Cortes espanholas (Congresso de Deputados e Senado) tomam posse a 19 de julho.

Poucos dias depois da constituição das duas câmaras, mas sem prazo definido, o rei de Espanha, Filipe VI, iniciará as consultas com os partidos para, em seguida, fazer uma proposta de candidato a assumir a presidência do Governo.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.