sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Rajoy garante que tenciona submeter-se a uma investidura

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, garantiu que aceitará se o Rei o convidar a formar Governo, mas se souber que será rejeitado, abrirá um período de reflexão com outros partidos para uma encontrar uma solução.

© Andrea Comas / Reuters

"Eu quero governar, tomar decisões, tenho muito claro o que vou fazer, vou continuar a batalhar para convencer quem quiser deixar-se convencer. Estou disposto a subir as mangas e governar sejam quais forem as circunstâncias", sublinhou o chefe do Governo espanhol em funções, citado pela Efe.

As declarações de Mariano Rajoy foram proferidas numa conferência de imprensa após uma reunião no Parlamento espanhol com o líder do PSOE, Pedro Sánchez, integrada na ronda de conversações com os dirigentes de outros partidos para sondar eventuais apoios à sua investidura.

O chefe do Executivo em funções indicou que Sánchez o informou que os socialistas votarão contra a sua eventual investidura, mas disse também que continua a acreditar que os contactos que ainda tem pela frente resultarão no sucesso da sua candidatura.

Rajoy informou ainda que entregou em mãos a Pedro Sánchez e que enviou aos dirigentes de outros partidos um programa com uma proposta de Governo "moderada e aberta ao diálogo e aos acordos", para que possa iniciar a legislatura e conseguir formar um governo estável.

A proposta, acrescentou, está fundamentada nos valores constitucionais espanhóis e no consenso do projeto europeu.

Rajoy disse que Espanha precisa de um Governo que possa governar, e considerou "um disparate" que o país seja obrigado a ir a umas terceiras eleições legislativas.

O líder do PP estima como possível que em finais de julho ou nos primeiros dias de agosto haja um governo presidido por si para tomar decisões imediatas como o teto da despesa ou o Orçamento do Estado para o próximo ano.

Rajoy insistiu, por isso, que está disposto a submeter-se a uma sessão de investidura, mas, quando interrogado sobre se manteria a mesma determinação ainda que soubesse que não teria no Parlamento o apoio necessário, disse que, nesse caso, abriria uma reflexão com o resto das formações políticas para encontrar uma saída.

O primeiro-ministro sugeriu aos socialistas que encarem a possibilidade se absterem e facilitarem a investidura e reiterou que, por agora, o que tem é um "não", que lhe foi passado por Sánchez. Porém, - sublinhou -- "todos podemos mudar de opinião na vida".

O secretário-geral do PSOE afirmou aos jornalistas após o encontro com Rajoy que pediu ao líder do Partido Popular "uma negociação séria" para obter os apoios necessários à formação de um Governo estável, mas que o advertiu que, "entre os aliados potenciais", não se encontra o Partido Socialista Operário Espanhol.

Para Sánchez, o PP deve procurar os seus aliados entre as forças de direita e entre elas a Convergência Democrática da Catalunha, abordando com essa formação a questão catalã.

Em resposta a esta sugestão, Rajoy admitiu que é "muito difícil" chegar a um acordo de investidura com uma força política como a CDC, que tem posições contrárias à constituição espanhola, como é a defesa da independência da Catalunha.

Mariano Rajoy e Pedro Sanchez reuniram-se hoje durante uma hora e um quarto, pela primeira vez depois das eleições de 26 de junho.

Antes, Rajoy esteve reunido na terça-feira com Albert Rivera, líder da quarta força política mais votada nas eleições legislativas espanholas, Ciudadanos (liberal), que indicou que não irá inviabilizar um governo minoritário do PP, abrindo a porta a uma abstenção na votação de investidura do novo executivo.

O PP foi o partido mais votado nas eleições de 26 de junho, com 137 deputados, mais 14 que nas legislativas de dezembro, mas longe dos 176 mandatos que dão a maioria absoluta no congresso espanhol.

O PSOE ficou em segundo lugar, com 85 assentos (90 em dezembro), enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos (uma aliança entre partidos de extrema esquerda que inclui o Podemos) ficou em terceiro e elegeu 71 deputados, com o Ciudadanos a conseguir 32 assentos.

Os membros das novas Cortes espanholas (Congresso de Deputados e Senado) tomam posse a 19 de julho.

Poucos dias depois da constituição das duas câmaras, mas sem prazo definido, o rei de Espanha, Filipe VI, iniciará as consultas com os partidos para, em seguida, fazer uma proposta de candidato a assumir a presidência do governo.

Lusa

  • "O bom senso obriga a acordo para a estabilização do sistema financeiro"
    2:06

    Economia

    O Presidente da República disse esta quarta-feira que "o bom senso obriga a que todos estejam de acordo para a estabilização do sistema financeiro". Num aparente recado a Passos Coelho, Marcelo apelou a um consenso de regime e avisou que "não há prazer tático que justifique o desgaste" provocado pelas divisões atuais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.