sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Discurso de Rajoy marca o arranque de nova sessão de investidura

O presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, em funções há oito meses, protagoniza hoje o arranque de uma sessão de investidura no Congresso dos Deputados, para a qual -- de momento -- não dispõe de apoios suficientes para ser reeleito.

Convidado pelo rei de Espanha, Felipe VI, para tentar formar Governo, Mariano Rajoy (PP, direita no poder desde 2011) expõe hoje aos 350 deputados do Congresso o seu plano de Governo, numa última tentativa de angariar os 176 votos necessários (maioria absoluta) para ser eleito presidente do governo na primeira votação da investidura, marcada para quarta-feira.

Até ao momento, o líder dos populares conta com os 137 deputados do PP, os 32 do Ciudadanos (partido de Albert Rivera com o qual assinou um acordo de governo no domingo) e com mais um da Coligação Canária. No total, conta apenas com 170 votos.

Rajoy e Rivera têm apelado ao PSOE de Pedro Sánchez (85 deputados) para que viabilize, sem necessidade de novas eleições, um governo em Espanha, já que se aproxima o limite temporal para aprovação de um Orçamento do Estado para 2017. No entanto, o líder socialista mantém o "Não" a Rajoy e à direita, pelo que o candidato do PP deverá submeter-se a uma segunda votação na sexta-feira.

A Constituição espanhola indica que numa segunda votação de investidura, o candidato apenas tem de obter maioria simples (mais votos "sim" do que "não"). No entanto, ainda assim Rajoy precisaria ou de seis votos favoráveis adicionais ou de 11 abstenções.

Em caso de investidura falhada (chumbo ao candidato nas duas votações, como aconteceu em março a Pedro Sánchez), os partidos têm dois meses a partir de quarta-feira para chegarem a um acordo, fazerem chegar essa solução ao rei - que depois poderia convidar outro ou o mesmo candidato para novas votações. Se no prazo de dois meses (a contar da primeira votação na quarta-feira) não chegarem a acordo, Espanha segue para as terceiras eleições legislativas no espaço de um ano (depois das de 20 de dezembro e da repetição, a 26 de junho).

Este cenário desde dezembro resulta de vitórias sem maioria absoluta do PP, da perda de deputados do PSOE (90 eleitos em dezembro e 85 em junho) e da incapacidade dos partidos emergentes (Podemos e Ciudadanos) de conseguirem assentos suficientes para serem, por si só, decisivos para a investidura. Ou seja, qualquer solução com o atual quadro passa ou por um improvável acordo PP-PSOE ou por acordos desenhados por, pelo menos, três partidos.

A agenda da sessão de investidura para hoje inclui apenas o discurso do candidato, Mariano Rajoy, a partir das 16:00 (15:00 em Lisboa). As réplicas dos restantes líderes partidários - e respostas de Rajoy - estão reservadas para quarta-feira, a partir das 9:00 (8:00 em Lisboa), com a primeira votação até ao final do dia.

O PP - que na sessão de investidura de Pedro Sánchez criticou fortemente este modelo, alegando que dá muito mais protagonismo ao candidato - repete agora o procedimento.

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.