sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Governo de Rajoy chumbado pelo parlamento espanhol

O Congresso dos Deputados (parlamento) espanhol chumbou esta quarta-feira em Madrid a candidatura à presidência do Governo de Mariano Rajoy que conseguiu recolher apenas 170 votos de confiança dos 176 necessários à sua investidura.

De um total de 350 deputados, Mariano Rajoy recolheu a confiança de 170, tendo todos os outros 180 votado contra, entre eles os 85 do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e os 71 da coligação Unidos Podemos (esquerda radical).

Na votação desta quarta-feira, Mariano Rajoy precisava de obter a confiança da maioria absoluta dos deputados, 176 votos de um total de 350.

Mariano Rajoy terá daqui a 48 horas, na sexta-feira, uma segunda oportunidade para ser investido, precisando nessa altura apenas de obter uma maioria simples, mais votos a favor do que contra, mas a tarefa continua a parecer impossível.

O atual chefe do Governo em funções teve o apoio expresso dos deputados do PP (137), Ciudadanos (32) e Coligação Canárias (1), um total de 170 votos.

A votação da tarde de hoje inicia um período de dois meses (até 31 de outubro) em que ainda é possível formar um novo Executivo, antes da dissolução do parlamento e a convocação de novas eleições, provavelmente para o Dia de Natal, 25 de dezembro próximo.

Se isso acontecer, serão as terceiras eleições legislativas que se realizam no espaço de um ano, depois de na primeira consulta, em 20 de dezembro de 2015, e na segunda, em 26 de junho último, as quatro principais forças políticas espanholas (PP, PSOE, Unidos Podemos e Ciudadanos) não terem conseguido chegar a um acordo para formar um Governo estável em Espanha.

Com Lusa

  • Veio para Portugal para estar mais perto da natureza mas o fogo levou-lhe tudo
    4:59
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão