sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Rajoy tenta hoje investidura pela segunda vez

O líder do Partido Popular espanhol, Mariano Rajoy, submete-se hoje no parlamento à segunda votação de investidura, mas a falta de apoios de última hora deverá ditar um novo chumbo da sua candidatura à formação de Governo.

Os partidos políticos espanhóis ainda têm dois meses, até 31 de outubro, para tentar resolver o impasse atual, mas parece cada vez mais provável a realização de eleições legislativas, pela terceira vez no espaço de um ano.

O atual chefe do Governo em funções e líder do Partido Popular (PP, direita) recolheu na quarta-feira a confiança de apenas 170 deputados, tendo todos os outros 180 deputados votados contra, entre eles os 85 do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e os 71 da coligação da esquerda radical Unidos Podemos.

Nessa votação, Mariano Rajoy precisava de obter a confiança da maioria absoluta dos deputados, 176 votos de um total de 350, enquanto que hoje necessita apenas da maioria simples da assembleia.

A tarefa de Rajoy continua a parecer praticamente impossível porque o atual chefe do Governo em funções continua a ter apenas o apoio expresso de 170 deputados: 137 do PP, 32 do partido de centro-direita Ciudadanos e um do partido regional Coligação Canária.

Para ganhar a confiança do Congresso de Deputados na votação de hoje, Mariano Rajoy precisaria, tal como precisava na quarta-feira, de obter mais seis votos, o que parece impossível, ou a abstenção de pelo menos 11 deputados.

A votação de quarta-feira iniciou um período de dois meses (até 31 de outubro) em que ainda é possível formar um novo executivo, antes da dissolução do parlamento e convocação de novas eleições 54 dias depois, provavelmente para 25 de dezembro.

Se isso acontecer, serão as terceiras eleições legislativas que se realizam no espaço de um ano, depois de na primeira consulta, em 20 de dezembro de 2015, e na segunda, em 26 de junho deste ano, as quatro principais forças políticas espanholas (PP, PSOE, Unidos Podemos e Ciudadanos) não terem conseguido chegar a um acordo para formar um Governo estável em Espanha.

Nas eleições de 26 de junho, o PP foi o partido mais votado (33,0 % dos votos e 137 deputados), seguido pelo PSOE (22,7 % e 85), Unidos Podemos (21,1 % e 71) e Ciudadanos (13,0 % e 32).

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34