sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Mitt Romney ataca Donald Trump por se recusar divulgar declarações fiscais

O candidato republicano à Casa Branca em 2012, Mitt Romney, relançou na quarta-feira os ataques ao seu sucessor, Donald Trump, devido à persistente recusa deste em divulgar as suas declarações de rendimento.

© Mike Blake / Reuters

"Recusar divulgar as suas declarações de impostos aos eleitores é razão para desqualificar um candidato presidencial na época moderna, sobretudo para alguém sem passado público nem militar e cuja vida não foi examinada", escreveu Mitt Romney na rede social Facebook.

"Só existe uma única explicação lógica para a recusa de Trump publicar as suas declarações de impostos: elas contêm uma bomba. Perante o sangue-frio de Trump face às outras imperfeições da sua vida passada, apenas podemos supor que essa bomba é de uma dimensão não habitual", concluiu Mitt Romney.

Donald Trump recusou na terça-feira comprometer-se com a divulgação à imprensa e ao público das suas declarações de rendimento, uma tradição para os candidatos presidenciais que permite verificar as suas fontes de rendimento, eventuais conflitos de interesse, bem como o montante da sua solidariedade.

A recusa foi justificada pelos controlos fiscais de que é objeto há anos, e que continuam.

"Elas (as declarações de rendimento) não informariam ninguém", disse Trump à AP.

Mas, hoje Trump negou ter declarado que se recusava a divulgar a suas declarações. "Disse à AP que os meus impostos eram objeto de um controlo de rotina e que publicaria as minhas declarações de impostos quando o controlo terminar, e não depois das eleições!", escreveu na rede social Twitter.

No final de fevereiro, Mitt Romney já tinha atacado Trump pela mesma razão. "Podemos vir a descobrir que ele está longe de ter tantos rendimentos quanto se imagina, ou que não paga impostos, ou paga muito poucos", disse ainda Romney.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.