sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Mitt Romney ataca Donald Trump por se recusar divulgar declarações fiscais

O candidato republicano à Casa Branca em 2012, Mitt Romney, relançou na quarta-feira os ataques ao seu sucessor, Donald Trump, devido à persistente recusa deste em divulgar as suas declarações de rendimento.

© Mike Blake / Reuters

"Recusar divulgar as suas declarações de impostos aos eleitores é razão para desqualificar um candidato presidencial na época moderna, sobretudo para alguém sem passado público nem militar e cuja vida não foi examinada", escreveu Mitt Romney na rede social Facebook.

"Só existe uma única explicação lógica para a recusa de Trump publicar as suas declarações de impostos: elas contêm uma bomba. Perante o sangue-frio de Trump face às outras imperfeições da sua vida passada, apenas podemos supor que essa bomba é de uma dimensão não habitual", concluiu Mitt Romney.

Donald Trump recusou na terça-feira comprometer-se com a divulgação à imprensa e ao público das suas declarações de rendimento, uma tradição para os candidatos presidenciais que permite verificar as suas fontes de rendimento, eventuais conflitos de interesse, bem como o montante da sua solidariedade.

A recusa foi justificada pelos controlos fiscais de que é objeto há anos, e que continuam.

"Elas (as declarações de rendimento) não informariam ninguém", disse Trump à AP.

Mas, hoje Trump negou ter declarado que se recusava a divulgar a suas declarações. "Disse à AP que os meus impostos eram objeto de um controlo de rotina e que publicaria as minhas declarações de impostos quando o controlo terminar, e não depois das eleições!", escreveu na rede social Twitter.

No final de fevereiro, Mitt Romney já tinha atacado Trump pela mesma razão. "Podemos vir a descobrir que ele está longe de ter tantos rendimentos quanto se imagina, ou que não paga impostos, ou paga muito poucos", disse ainda Romney.

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.