sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Ex-mordomo de Trump diz que Obama deveria ser enforcado

Os serviços secretos norte-americanos estão a investigar o ex-mordomo de Donald Trump. Anthony Senecal, que trabalhou para o candidato republicado durante cerca de 30 anos, defendeu que Barack Obama deveria ser morto, chegando mesmo a dizer que o Presidente dos EUA devia ser "enforcado" na "mesquita branca", referindo-se à Casa Branca.

Foto de Donald Trump com Anthony Senecal publicada pelo ex-mordomo no Facebook, em agosto do ano passado.

Foto de Donald Trump com Anthony Senecal publicada pelo ex-mordomo no Facebook, em agosto do ano passado.

Senecal escreveu no Facebook que Obama "deveria ser levado por militares e morto a tiro como um agente inimigo, no seu primeiro mandato".

Os responsáveis da campanha de Trump à Casa Branca rapidamente se demarcaram das declarações de Senecal.

"Ele não trabalha para Trump, já não é seu mordomo desde junho de 2009", disse o porta-voz Hope Hicks. "Condenamos veemente estes comentários horríveis de Senecal", afirmou.

Confrontado pela CNN, Senecal, de 84 anos, confirmou a autenticidade do post privado publicado no Facebook.

Numa entrevista telefónica à estação norte-americana, esta quinta-feira, o ex-mordomo de Trump apenas questionou uma parte da declaração: "Penso que escrevi enforcado (…) De qualquer maneira, tanto faz. Enforcado, morto a tiro... Acho que preferia que fosse enforcado no pórtico da Casa Branca , ou como eu lhe chamo, mesquita branca".

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • Visita de Estado ao Luxemburgo
    1:34

    País

    O Presidente da República chega esta noite ao Luxemburgo para uma visita de Estado de dois dias. O contacto com a comunidade portuguesa, que é a maior comunidade no país, vai ser um dos pontos fortes da visita.

    Enviados SIC

  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.