sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Ex-mordomo de Trump diz que Obama deveria ser enforcado

Os serviços secretos norte-americanos estão a investigar o ex-mordomo de Donald Trump. Anthony Senecal, que trabalhou para o candidato republicado durante cerca de 30 anos, defendeu que Barack Obama deveria ser morto, chegando mesmo a dizer que o Presidente dos EUA devia ser "enforcado" na "mesquita branca", referindo-se à Casa Branca.

Foto de Donald Trump com Anthony Senecal publicada pelo ex-mordomo no Facebook, em agosto do ano passado.

Foto de Donald Trump com Anthony Senecal publicada pelo ex-mordomo no Facebook, em agosto do ano passado.

Senecal escreveu no Facebook que Obama "deveria ser levado por militares e morto a tiro como um agente inimigo, no seu primeiro mandato".

Os responsáveis da campanha de Trump à Casa Branca rapidamente se demarcaram das declarações de Senecal.

"Ele não trabalha para Trump, já não é seu mordomo desde junho de 2009", disse o porta-voz Hope Hicks. "Condenamos veemente estes comentários horríveis de Senecal", afirmou.

Confrontado pela CNN, Senecal, de 84 anos, confirmou a autenticidade do post privado publicado no Facebook.

Numa entrevista telefónica à estação norte-americana, esta quinta-feira, o ex-mordomo de Trump apenas questionou uma parte da declaração: "Penso que escrevi enforcado (…) De qualquer maneira, tanto faz. Enforcado, morto a tiro... Acho que preferia que fosse enforcado no pórtico da Casa Branca , ou como eu lhe chamo, mesquita branca".

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.