sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Ex-mordomo de Trump diz que Obama deveria ser enforcado

Os serviços secretos norte-americanos estão a investigar o ex-mordomo de Donald Trump. Anthony Senecal, que trabalhou para o candidato republicado durante cerca de 30 anos, defendeu que Barack Obama deveria ser morto, chegando mesmo a dizer que o Presidente dos EUA devia ser "enforcado" na "mesquita branca", referindo-se à Casa Branca.

Foto de Donald Trump com Anthony Senecal publicada pelo ex-mordomo no Facebook, em agosto do ano passado.

Foto de Donald Trump com Anthony Senecal publicada pelo ex-mordomo no Facebook, em agosto do ano passado.

Senecal escreveu no Facebook que Obama "deveria ser levado por militares e morto a tiro como um agente inimigo, no seu primeiro mandato".

Os responsáveis da campanha de Trump à Casa Branca rapidamente se demarcaram das declarações de Senecal.

"Ele não trabalha para Trump, já não é seu mordomo desde junho de 2009", disse o porta-voz Hope Hicks. "Condenamos veemente estes comentários horríveis de Senecal", afirmou.

Confrontado pela CNN, Senecal, de 84 anos, confirmou a autenticidade do post privado publicado no Facebook.

Numa entrevista telefónica à estação norte-americana, esta quinta-feira, o ex-mordomo de Trump apenas questionou uma parte da declaração: "Penso que escrevi enforcado (…) De qualquer maneira, tanto faz. Enforcado, morto a tiro... Acho que preferia que fosse enforcado no pórtico da Casa Branca , ou como eu lhe chamo, mesquita branca".

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.