sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Divulgados novos documentos incriminatórios da "Universidade Trump"

Documentos judiciais recém-divulgados no caso contra a "Universidade" do pré-candidato presidencial norte-americano Donald Trump revelam acusações de ex-empregados de que a empresa agora extinta enganava os consumidores com marketing agressivo e fraudulento.

© Carlo Allegri / Reuters

As revelações mais danosas são as de antigos funcionários a instituição com fins lucrativos fundada em 2004 e encerrada em 2010, desencadeando processos judiciais que poderão arrastar o presumível candidato presidencial republicano para tribunal.

"Enquanto a Universidade Trump declarava querer ajudar os consumidores a ganhar dinheiro no setor imobiliário, de facto a Universidade Trump apenas estava interessada em vender a toda a gente os seminários mais caros que pudesse", disse o ex-funcionário daquela instituição Ronald Schnackenberg num depoimento escrito hoje revelado.

A empresa oferecia vários cursos de empreendedorismo sob a famosa marca Trump.

Mas Schnackenberg, antigo diretor comercial da empresa, descreveu como se despediu em 2007 depois de descobrir que "a conduta da Universidade Trump era enganosa, fraudulenta e desonesta", fazendo eco dos argumentos apresentados por ex-alunos queixosos que alegam ter sido enganados.

Outro ex-empregado, Jason Nicholas, reconheceu ao testemunhar que os seminários eram lecionados por "pessoas sem qualificações que se apresentavam como braços-direitos de Donald Trump".

Nicholas declarou que aqueles formadores "ensinavam métodos eticamente incorretos e que tinham pouca ou nenhuma experiência de apresentação de propriedades e de concretização de verdadeiros negócios imobiliários".

"Era uma fachada, uma mentira total", asseverou.

O tribunal também desclassificou manuais internos da empresa, os chamados "playbooks", onde se encontravam em pormenor as técnicas de marketing e vendas para orientar os futuros estudantes para os cursos e programas mais caros, que atingiam preços como 35.000 dólares (31.270 euros) por supostamente revelarem os segredos de Trump para gerar riqueza.

Lusa

  • 2,1%. As reações ao défice de 2016

    Economia

    O défice orçamental ficou mesmo nos 2,1% do PIB. Os partidos já reagiram àquele que é o valor mais baixo em democracia.

  • Comboios Alfa vão ter bancos com tomadas elétricas e wi-fi
    2:06
  • Novas imagens dos momentos após Khalid Masood ter embatido no muro do Parlamento britânico
    1:35
  • Nus e acorrentados em frente a Auschwitz

    Mundo

    Catorze pessoas com idades entre os 20 e os 27 anos despiram-se e acorrentaram-se em frente ao portão de Auschwitz, antigo campo de concetração nazi na Polónia, depois de terem degolado um carneiro. Ninguém sabe ainda porquê.

  • A coleção de gerigonças de Ana Catarina Mendes
    1:51
  • Parlamento português pede demissão de Dijsselbloem

    País

    A Assembleia da República foi hoje unânime na condenação das polémicas declarações do presidente do Eurogrupo, mas recusou um ponto pela rejeição de diversos compromissos com a União Europeia (UE) exigida pelo PCP.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33
  • Viaduto de Alcântara condicionado
    1:36

    País

    O viaduto de Alcântara, em Lisboa, continua com o trânsito condicionado mas apenas sobre o tabuleiro e no sentido Alcântara Terra - Alcântara Mar. A circulação só será reposta depois de uma nova vistoria, ainda sem data marcada.

  • Como se resolve a falta de espaço numa cidade chinesa?
    1:07