sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Mesquitas escocesas convidam Trump para visita

Duas mesquitas de Edimburgo convidaram hoje o pré-candidato republicano à Casa Branca Donald Trump a visitá-las quando estiver na Escócia, no fim de junho, para constatar que a sua ideia sobre os muçulmanos "não corresponde à realidade".

© Carlo Allegri / Reuters

"Antes de proferir mais um discurso incendiário, o senhor Trump devia aprender mais sobre os muçulmanos que ofende de cada vez que abre a boca", declararam as mesquitas num comunicado publicado no diário Herald Scotland.

"Ficaríamos encantados por ter a oportunidade de lhe mostrar o trabalho que fazemos em Edimburgo quando ele vier à Escócia", indicam no texto.

Mohammad Saleem Irshad, responsável da Mesquita Annandale, um dos lugares de culto em causa, disse ainda à agência de notícias francesa, AFP: "Queremos dizer ao senhor Trump que o que ele pensa dos muçulmanos não corresponde à realidade".

"Ele deveria vir à mesquita e ver por si mesmo. Será que aí ensinamos o terrorismo? Ele devia vir e estudar o Islão", acrescentou.

O multimilionário norte-americano viaja até à Escócia a 22 de junho, na véspera do referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia, para visitar dois campos de golfe que lhe pertencem, antes de ir à Irlanda, para ver um terceiro.

A Escócia, de onde é originária a mãe de Donald Trump, demarcou-se do candidato republicano depois da sua proposta de fechar as fronteiras dos Estados Unidos aos muçulmanos, que desencadeou muitos protestos.

A Universidade Robert Gordon (RGU) de Aberdeen retirou-lhe um doutoramento honoris causa e o governo regional privou-o do título de encarregado de negócios.


Lusa

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.