sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Obama diz que plano de Trump para os muçulmanos trai valores dos EUA

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, criticou esta terça-feira a proposta do pré-candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, de proibir a entrada de muçulmanos no país e manter sob vigilância as comunidades islâmicas.

© Carlos Barria / Reuters

"Os norte-americanos muçulmanos são cidadãos norte-americanos. Vamos começar a tratar todos os norte-americanos muçulmanos de maneira diferente? (...) Isso é uma traição aos nossos valores", afirmou o chefe de Estado num discurso em que falou dos avanços na investigação sobre o massacre de Orlando, na Florida.

No final de uma reunião do seu conselho de segurança nacional sobre a luta iniciada contra os 'jihadistas' no verão de 2014, Barack Obama disse que o grupo extremista Estado Islâmico (EI) está agora "na defensiva" e com dificuldade em recrutar combatentes estrangeiros.

O EI "não está em condições de realizar com êxito uma grande ofensiva no Iraque ou na Síria desde há um ano", congratulou-se o Presidente norte-americano, acrescentando que "graças aos esforços internacionais", o fluxo de combatentes estrangeiros foi acentuadamente reduzido.

O grupo jihadista que conquistou faixas inteiras de território naqueles dois países "está a ser submetido a uma pressão maior que nunca" depois de ter sido atingido por cerca de 13.000 ataques aéreos da coligação internacional liderada por Washington.

Obama enumerou as perdas financeiras do grupo, os "120 dirigentes e comandantes mortos" e a "perda de quase metade dos territórios povoados que [o EI] tinha no Iraque".

"Eles ainda vão perder mais e continuam a perder terreno na Síria", assegurou, reiterando a intenção de "destruir o grupo extremista".

Com menos combatentes provenientes do estrangeiro, incluindo dos Estados Unidos, os efetivos do EI "ficaram reduzidos ao seu nível mais baixo em mais de dois anos e meio", sublinhou ainda o chefe de Estado norte-americano, citando os serviços secretos do país.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.