sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Procuradora-geral dos EUA diz que não interferirá em caso de e-mail de Clinton

A procuradora-geral dos Estados Unidos disse hoje que seguirá as decisões do FBI e do ministério público sobre um eventual processo judicial contra a pré-candidata presidencial Hillary Clinton por usar o e-mail pessoal enquanto era secretária de Estado.

© Rick Wilking / Reuters

"As recomendações serão analisadas por supervisores e pelo diretor do FBI (polícia federal), e eles transmitir-mas-ão, e eu tenho a certeza de que aceitarei essas recomendações", disse Loretta Lynch numa conferência em Aspen, Colorado.

O anúncio feito por Lynch surgiu depois de o seu encontro imprevisto com o ex-presidente Bill Clinton no aeroporto de Phoenix, no Arizona, esta semana, ter desencadeado uma tempestade política, com os republicanos a argumentar que o encontro comprometeu a integridade da investigação.

Lynch declarou ser "importante deixar claro que aquele encontro com o Presidente Clinton não é relevante para a forma como o caso será avaliado, resolvido e aceite" por si.

Mas rapidamente reconheceu que o encontro deu azo a más interpretações, que o pré-candidato presidencial republicano Donald Trump logo classificou como prova de um sistema "totalmente manipulado" em Washington.

"Entendo como as pessoas o interpretaram", disse a procuradora-geral.

"É claro que não o faria novamente, porque penso que lançou uma sombra" sobre a investigação, acrescentou.

Loretta Lynch quis também esclarecer que como nomeada política não vai interferir no processo legal relacionado com a investigação Clinton, e que a integridade do departamento de Justiça será mantida.

Hillary Clinton, a pré-candidata presidencial democrata, que poderá tornar-se a primeira mulher Presidente dos Estados Unidos, admitiu o erro e pediu desculpa por ter usado exclusivamente uma conta privada de e-mail e um servidor instalado em sua casa durante o seu mandato como secretária de Estado, entre 2009 e 2013.

Mas o escândalo persegue sua campanha há mais de um ano e tem contribuído para as preocupações dos eleitores de que ela não é digna de confiança.

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Vila de Gavião viu-se cercada pelas chamas
    2:17
  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14
  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22