sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Departamento de Estado dos EUA reabre investigação interna sobre e-mails de Clinton

O Departamento de Estado norte-americano anunciou a reabertura da investigação interna sobre a forma como Hillary Clinton usou o correio eletrónico quando era secretária de Estado, apesar de a Justiça ter decidido esta semana não fazer qualquer acusação.

© Rick Wilking / Reuters

O porta-voz da diplomacia dos EUA, John Kirby, anunciou na quinta-feira, através de um comunicado, a reabertura do inquérito interno, que tinha sido suspenso quando o FBI (polícia federal) abriu uma investigação.

"Tentaremos ser o mais expeditos possível, mas não colocaremos prazos artificiais ao processo", lê-se no comunicado, que explica que a investigação interna pode agora avançar justamente por o Departamento de Justiça norte-americano ter concluído que não apresentará acusação contra Hillary Clinton.

O FBI revelou esta semana que não acusará Clinton por ter usado uma conta de 'e-mail' privada para comunicações oficiais, algumas envolvendo material classificado, entre 2009 e 2013, quando a atual aspirante a candidata do Partido Democrata à Presidência dos Estados Unidos foi secretária de Estado.

Segundo o FBI, dos 30 mil 'e-mails' que Clinton reenviou ao FBI para análise, 110 continham informação classificada.

Clinton afirmou que na altura em que foram enviados a partir da sua conta privada, nenhum deles tinha conteúdo classificado.

A ex-secretária de Estado prestou no sábado passado declarações aos investigadores do FBI.

A procurada-geral dos Estados Unidos, Loretta Lynch, confirmou na quinta-feira que o Departamento de Justiça "não vai apresentar acusação" contra Clinton, depois de o diretor do FBI, James Comey, ter recomendado na quarta-feira o encerramento do caso e a não apresentação de qualquer acusação "contra nenhuma das pessoas envolvidas no âmbito da investigação".

Lusa

  • Luaty Beirão satisfeito com sinais de mudança de paradigma em Angola
    4:03

    Mundo

    Sete meses depois da tomada de posse de João Lourenço como presidente de Angola, o país vive um tempo de revoluções. Mudanças inéditas que, nas palavras do ativista Luaty Beirão, permitem ter esperança num futuro melhor. O músico esteve em Lagos, a convite da Câmara Municipal, para falar sobre Livros e Liberdade.

  • O portal onde pode consultar certidões e outros documentos sem sair de casa
    7:37
  • Presidente da Comunidade de Madrid demite-se depois da divulgação de vídeo de roubo
    1:27