sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

"Eu sou o candidato da lei e ordem"

"Eu sou o candidato da lei e ordem"

A consagração de Donald Trump marca a última noite da convenção do Partido Republicano dos EUA. O candidato à Casa Branca prometeu restabelecer a segurança no país e insiste no muro na fronteira com o México. Criticou Hillary Clinton e declarou apoio à comunidade LGBT.

O empresário norte-americano Donald Trump aceitou oficialmente ser candidato à Presidência dos Estados Unidos, num discurso na sessão de encerramento da convenção do Partido Republicano, em Cleveland, no estado do Ohio.

"Eu, humildemente, aceito a vossa nomeação para a presidência dos Estados Unidos", disse hoje Donald Trump perante uma ovação de pé e gritos: "EUA, EUA, EUA". "Juntos vamos levar o nosso partido de volta para a Casa Branca", acrescentou.

"Tenho uma mensagem para todos vós: o crime e a violência que hoje aflige a nossa nação vai em breve ter um fim. A partir de 20 de janeiro de 2017 a segurança vai ser restaurada", disse. "Nesta campanha para a Casa Branca, eu sou o candidato da lei e ordem".

"A irresponsável retórica do nosso Presidente [Barack Obama], que usou o púlpito da presidência para nos dividir por raça e cor, tornou a América mais perigosa para todos nós", acrescentou, depois de ter invocado a morte de vários polícias nas últimas semanas nos Estados Unidos.

Trump disse aos delegados na convenção republicana que a sua política externa, se chegar à Casa Branca, colocará os norte-americanos em primeiro lugar.

Trump reitera intenção de construir muro na fronteira com o México

O magnata reiterou a intenção de construir um muro na fronteira com o México. "Vamos construir um grande muro para pôr fim à imigração ilegal, para pôr fim aos gangues e à violência, para impedir a entrada da droga", afirmou.

Durante a campanha antes das primárias republicanas, Trump prometeu que se for eleito, construirá um muro na fronteira mexicana, pago pelo México, para impedir a imigração ilegal. Também manifestou a intenção de expulsar dos Estados Unidos os 11 milhões de imigrantes ilegais que trabalham e vivem no país.

Legado de Hillary Clinton é "morte, destruição e debilidade"

"O legado de Hillary Clinton não tem de ser o dos Estados Unidos. Os problemas que enfrentamos agora - pobreza, violência em casa, morte e destruição no estrangeiro - vão continuar sempre se mantivermos as mesmas políticas que os criaram", disse Trump, no encerramento da Convenção Nacional do Partido Republicano.

Trump criticou a campanha de Clinton por ser um "fantoche" dos "grandes negócios, da elite mediática e dos grandes doadores" e ser representativa de um "sistema envenenado".

"A mensagem de Hillary Clinton é de que as coisas nunca vão mudar. A minha mensagem é a de que as coisas vão mudar e têm de mudar agora", sublinhou o magnata.

No seu discurso, Trump criticou as propostas e legado de Clinton na política externa, imigração, comércio, educação ou proteção do direito de porte de armas.

Com Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.