sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Ex-candidata republicana Meg Whitman apoia Hillary Clinton

A líder da multinacional norte-americana Hewlett Packard Enterprise e ex-candidata republicana na Califórnia, Meg Whitman, divulgou esta quarta-feira que votará na democrata Hillary Clinton nas eleições presidenciais de novembro contra Donald Trump, que classificou como "um demagogo desonesto".

Richard Drew

Meg Whitman é uma proeminente militante do Partido Republicano, bem como uma importante doadora e angariadora de fundos. É um dos nomes mais conhecidos e influentes de Silicon Valley, região da Califórnia onde estão as grandes empresas de tecnologia, e foi candidata pelos republicanos ao cargo de governadora daquele Estado em 2010.

"Vou votar em Hillary, vou falar com os meus amigos republicanos para a ajudarem e vou doar dinheiro para campanha dela e tentar angariar fundos para ela", disse Meg Whitman numa entrevista ao jornal The New York Times publicada hoje.

Nas recentes primárias republicanas, a presidente e diretora-geral do grupo Hewlett Packard Enterprise integrou a equipa da campanha de Chris Christie. Afastou-se do governador de New Jersey quando este passou para a campanha de Donald Trump.

"Não concordo com ela em algumas questões, mas ela será muito melhor Presidente do que Donald Trump", prosseguiu a antiga líder da empresa de comércio eletrónico eBay.

"A história tem mostrado que quando demagogos tomam o poder ou se aproximam do poder isso raramente acaba bem", justificou a republicana, que em outra ocasião já tinha comparado o candidato presidencial republicano a ditadores como Hitler e Mussolini.

Para Whitman, o empresário é um "demagogo desonesto" e a sua eleição para a Casa Branca levaria os Estados Unidos numa "viagem muito perigosa".

Meg Whitman revelou ainda na entrevista que foi contactada em julho por Hillary Clinton.

A candidata democrata nas eleições presidenciais nos Estados Unidos, agendadas para 08 de novembro deste ano, tem abordado de forma explícita figuras centristas e republicanas.

Até à data, e apesar do mal-estar criado pela candidatura de Trump no seio do aparelho republicano, poucos elementos do 'Grand Old Party' (GOP, como o Partido Republicano é conhecido) assumiram publicamente que vão votar em Clinton.

Na segunda-feira, Richard Hanna tornou-se no primeiro membro republicano do Congresso a assumir que vai apoiar a candidatura presidencial de Hillary Clinton.

Lusa

  • Donald Trump chamou "diabo" a Hillary Clinton
    0:34

    Eleições EUA 2016

    Donald Trump disse esta noite que Hillary Clinton é o diabo. Mais uma declaração polémica do candidato republicano à Casa Branca, que comentava a convenção democrata da semana passada e um acordo de união entre Clinton e Bernie Sanders. A campanha da candidata democrata não quis comentar as declarações de Trump.

  • Nova sondagem dá vantagem a Hillary Clinton

    Eleições EUA 2016

    Uma nova sondagem realizada após a convenção do Partido Democrata norte-americano, que decorreu na semana passada, atribui hoje uma vantagem de sete pontos percentuais à candidata presidencial democrata Hillary Clinton contra o rival republicano Donald Trump.

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.