sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Evan McMullin, republicano anti-Trump, anuncia candidatura à Casa Branca

O republicano Evan McMullin anunciou esta segunda-feira a sua candidatura às eleições presidenciais norte-americanas de 8 de novembro para tentar travar o candidato oficial do partido, o multibilionário Donald Trump, que ainda é contestado no seio dos conservadores.

"Nunca é tarde para fazer a coisa certa e a América merece muito melhor do aquilo que Donald Trump ou Hillary Clinton nos podem oferecer", escreveu o candidato, um desconhecido ex-operacional da área de antiterrorismo dos serviços secretos norte-americanos (CIA) sem qualquer experiência política, na sua página na rede social Facebook.

Evan McMullin, de 40 anos, era até há pouco tempo um colaborador do grupo parlamentar republicano na Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso norte-americano).

Um responsável do grupo parlamentar esclareceu hoje que o ex-agente da CIA já não trabalha naquela estrutura.

As últimas semanas têm sido particularmente difíceis para Trump, ao protagonizar uma série de polémicas e erros que fizeram aumentar o número de republicanos que duvidam das capacidades do candidato presidencial oficial do Partido Republicano para liderar o país ou que já expressaram o seu apoio à adversária democrata Hillary Clinton.

"Num ano em que os americanos perderam a fé nos candidatos dos dois principais partidos, é tempo de uma nova geração de líderes avançar", afirmou Evan McMullin.

"Humildemente apresento-me como um líder que pode dar aos milhões de norte-americanos descontentes uma melhor escolha para Presidente", acrescentou.

Segundo o canal de televisão norte-americano ABC, a campanha de McMullin é apoiada por uma organização intitulada "Better for America" ("Melhor para a América", na tradução em português), financiada por republicanos que se opõem à candidatura de Donald Trump.

A campanha de McMullin antevê-se extremamente difícil: os prazos para constar nos boletins de voto em vários dos 50 estados federais norte-americanos já passaram, o reconhecimento do ex-agente da CIA a nível nacional é inexistente e será bastante complicado rivalizar com os orçamentos de dezenas de milhões de dólares das candidaturas oficiais dos partidos Republicano e Democrata.

O surgimento de candidatos fora do círculo dos dois grandes partidos dos Estados Unidos (republicanos e democratas) tem sido uma das questões em foco nas eleições presidenciais norte-americanas deste ano.

Donald Trump e Hillary Clinton estão entre os candidatos presidenciais mais impopulares da história norte-americana e os dois são encarados com desconfiança por grandes grupos do eleitorado.

O facto de muitos eleitores - cerca de 10% em recentes sondagens - admitirem que vão escolher um terceiro candidato a 08 de novembro é um dado a ter em consideração.

Uma sondagem sobre as intenções de voto de eleitores com menos de 30 anos, citada na passada sexta-feira pelo The Washington Post, revelava que Trump era ultrapassado por outros dois nomes na corrida à Casa Branca: o ex-governador republicano do Novo México e candidato do Partido Libertário (o terceiro maior partido dos EUA) Gary Johnson e a candidata presidencial do Partido Verde Jill Stein.

Segundo esta sondagem realizada pela McClatchy-Marist, o candidato republicano só garantia 9% das intenções de voto destes eleitores com menos de 30 anos, atrás de Clinton (41%), Johnson (23%) e Stein (16%).

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.