sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Família Kennedy critica Trump que considera sem qualidade para a Casa Branca

Evan Vucci

Membros da família Kennedy criticaram o candidato presidencial norte-americano Donald Trump por este ter ironizado "sobre a possibilidade de um assassinato político", considerando que tal declaração o devia desqualificar para a Casa Branca.

Num artigo publicado hoje no Washington Post, William Kennedy Smith e Jean Kennedy Smith consideram que o republicano Donald Trump tem um "discurso escuro e abusivo" e que tal devia ser suficiente para o desqualificar como candidato à presidência dos Estados Unidos da América (EUA).

"A violência política é o maior de todos os pecados civis", disseram o sobrinho e a irmã do Presidente democrata John F. Kennedy, assassinado em 1963, e do senador Robert Kennedy, morto em 1968 durante a campanha primária presidencial.

"Hoje, quase 50 anos depois, as palavras são ainda mais importantes", escrevem eles no jornal, juntando-se assim às vozes que nos últimos dias se têm ouvido contra o candidato republicano.

Na terça-feira, Donald Trump lembrou que a sua rival democrata, Hillary Clinton, "quer abolir a Segunda Emenda", o artigo na Constituição dos Estados Unidos que defende o direito de porte de armas, e afirmou que os "amantes de armas podem fazer algo" para travar Hillary, o que foi interpretado como incitação à violência.

Também Clinton considerou que os comentários "demonstram que Trump não tem temperamento para ser Presidente dos Estados Unidos".

"O que eu disse é que cidadãos partidários da Segunda Emenda devem organizar-se e votar para salvar a nossa Constituição!", justificou o magnata.

Lusa

  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.

  • PJ de Portimão deteve italiano foragido
    0:55

    País

    A Polícia Judiciária de Portimão deteve em Lagos um homem italiano que aguardava extradição. O antigo piloto de automóveis esteve foragido durante quase um ano, depois de ter cortado a pulseira eletrónica.