sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Homem escalou Trump Tower para conhecer candidato republicano

© Lucas Jackson / Reuters

Um homem escalou esta quarta-feira o edifício Trump Tower em Nova Iorque durante três horas com o objetivo de conhecer o candidato à Presidência dos Estados Unidos da América, Donald Trump.

© Lucas Jackson / Reuters

A escalada do edifício sede das empresas de Donald Trump, e onde o milionário vive, foi feita com recurso a ventosas e o homem, de 20 anos, parou a subida quando foi capturado por forças de segurança através de uma janela.

A polícia explicou que a opção foi não intervir de imediato e tentar estabelecer diálogo com o jovem, ao mesmo tempo que foram colocados colchões de ar na chão para amortizar uma eventual queda.

No entanto, a polícia não conseguiu demovê-lo, pelo que foi aberta uma janela e o homem foi capturado quando passou por aquela parte do edifício.

O homem "não expressou em momento algum a intenção de ferir quem quer que fosse", segundo um porta-voz da polícia.

"O seu único desejo era falar com o senhor Trump", acrescentou.

© Lucas Jackson / Reuters

Donald Trump, candidato do Partido Republicano à Casa Branca nas eleições de novembro, não estava em Nova Iorque na quarta-feira.

A identidade do jovem não foi divulgada. Depois de retirado do edifício, foi internado para ser submetido a exames médicos.

A Trump Tower tem mais de 200 metros de altura e 68 andares.

Donald Trump vive nos últimos andares do edifício, localizado na 5.ª Avenida de Nova Iorque, e que é também a sede das suas empresas e, agora, também o centro da sua campanha presidencial.

No twiter, Donald Trump fez um comentário sobre o acontecimento, onde pode ler-se: "Excelente trabalho da polícia de Nova Iorque em proteger as pessoas e salvar o alpinista".

Com Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.