sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Chefe da campanha de Trump terá recebido milhões de dólares de partido ucraniano pró-russo

Paul Manafort, chefe da campanha do candidato presidencial republicano, Donald Trump, terá recebido, durante seis anos, cerca de 13 milhões de dólares, de um partido pró-russo, noticiou esta segunda-feira o The New York Times.

Matt Rourke

A quantia consta de uns livros de contabilidade secretos do Partido das Regiões do ex-Presidente ucraniano Viktor Yanukovych, agora revelados pelo Gabinete Anti-Corrupção, em Kiev, onde surgem pagamentos em efetivo a Manafort de 12,7 milhões de dólares (cerca de 11,5 milhões de euros), segundo o jornal norte-americano.

Os investigadores ucranianos acreditam que estes pagamentos, que foram escritos à mão nos livros entre 2007 e 2013, fazem parte de um sistema de contabilidade ilegal do partido de Yushchenko, segundo o jornal.

A investigação, levada a cabo pela Procuradoria-Geral da Ucrânia, indica também uma rede de empresas estabelecidas em paraísos fiscais que ajudaram membros do círculo próximo do ex-Chefe de Estado a financiar o seus "sumptuosos" estilos de vida.

O diário nova-iorquino assegura que entre as transações duvidosas está um acordo por 18 milhões de dólares, para vender os ativos de uma televisão por cabo a um consórcio constituído por Manafort e pelo oligarca russo Oleg Deripaska, próximo do Presidente da Rússia, Vladimir Putin.

Apesar de não ter sido provado que Manafort tenha recebido os pagamentos e não está a ser investigado por atividades em paraísos fiscais do círculo próximo de Yushchenko, os investigadores acreditam, todavia, que devia conhecer a abrangência das suas gestões financeiras, adianta o The New York Times.

"Paul Manafort está nas 'contas ocultas' do Partido das Regiões e o seu nome aparece 22 vezes. Porém, queremos deixar claro que a sua presença na lista não mostra necessariamente que tenha recebido aquele dinheiro", segundo o Gabinete Anti-Corrupção, em Kiev.

As autoridades ucranianas admitem que não é claro o propósito daqueles pagamentos registados nos livros de contabilidade secretos, porque as assinaturas que aparecem na coluna dos que recebem "têm de ser verificadas" e podem pertencer "a outras pessoas".

Richard Hibey, advogado de Paul Manafort, assegurou ao diário nova-iorquino que o seu cliente "jamais recebeu esse tipo de pagamentos" e adiantou que se trata de meras "suposições" que "muito provavelmente" estão envolvidas em "manipulações políticas".

Manfort, segundo a Efe, que cita o diário norte-americano, dedicou grande parte da sua carreira profissional à consultadoria internacional, desde que começou a trabalhar na década de 1980 com o ditador filipino Ferdinand Marcos, até um dos seus últimos clientes, que foi o ex-Presidente ucraniano Viktor Yushchenko.

O The New York Times assegura ainda que o atual chefe de campanha presidencial de Donald Trump e a sua consultora ajudaram Viktor Yushchenko a vencer várias eleições, num período em que Manafort não estava registado como agente estrangeiro no Departamento de Justiça norte-americano.

Lusa

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22