sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Empresas de Trump devem mais de 573 milhões de euros

© Carlo Allegri / Reuters

As empresas detidas por Donald Trump têm uma dívida de 650 milhões de dólares (573 milhões de euros), mais do dobro do que foi declarado oficialmente na sua campanha presidencial, noticiou este sábado o New York Times.

O jornal contratou uma empresa para procurar toda a informação relativa a mais de 30 propriedades nos Estados Unidos ligadas ao candidato republicano, incluindo escritórios e campos de golfe.

Além da dívida de 650 milhões de dólares, o jornal refere que uma "parte substancial da sua riqueza está amarrada a três parcerias passivas que devem mais 2.000 milhões de dólares (1.765 milhões de euros)" a um conjunto de credores.

De acordo com o New York Times, a dívida poderá afetar significativamente a saúde financeira de Trump.

A campanha presidencial do magnata milionário tem destacado o seu sucesso no negócio imobiliário, reclamando uma fortuna de 10 mil milhões de dólares (cerca de 8,8 mil milhões de euros) e sublinhando que a sua visão empresarial é uma das suas maiores qualificações para a corrida à presidência dos Estados Unidos.

No entanto, Trump rejeitou a crescente pressão, mesmo dentro do Partido Republicano, para que divulgue a sua declaração fiscal e permita uma avaliação independente dos seus ativos.

A informação que consta na campanha mostra que os seus negócios devem, pelo menos, 315 milhões de dólares (278 milhões de euros), refere o New York Times na edição deste sábado, que acrescentou que a informação parece ser precisa e que Donald Trump não é obrigado a revelar todas as suas atividades empresariais.

Embora o jornal não acuse Trump de qualquer delito, a investigação "revela o quanto o negócio de Trump continua envolto em mistério".

A investigação também descobriu que a fortuna de Trump "depende profundamente numa grande variedade de financiadores, incluindo um que o próprio citou num dos ataques durante a sua campanha", escreve o New York Times.

Entre os seus credores consta um dos maiores bancos na China - país que o candidato republicano acusa de ser inimigo económico dos Estados Unidos - e o banco de investimento Goldman Sachs, que Trump afirma influenciar a sua rival democrata Hillary Clinton.

Enquanto presidente dos Estados Unidos da América, refere o jornal, Trump teria a capacidade de exercer uma maior influência no seu império empresarial e situação patrimonial.

Lusa

  • Chefe de campanha de Donald Trump demite-se

    Eleições EUA 2016

    Paul Manafort, diretor da campanha de Donald Trump e alvo de alegada corrupção, demitiu-se esta sexta-feira. O anúncio foi feito pela equipa de campanha do candidato republicano à Casa Branca. Isto acontece no mesmo dia em que um congressista republicano luso-americano retira o apoio a Donald Trump.

  • Trump como nunca o viu
    2:53

    Eleições EUA 2016

    Donald Trump como nunca foi visto. As estátuas do candidato republicano nu começaram a aparecer em várias cidades norte-americanas. As figuras criadas com argila e silicone foram produzidas por ativistas que pretendem travar a caminhada do candidato à Casa Branca. Isto, numa altura em que Trump começa a cair nas sondagens.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • Avicii tinha deixado os palcos há 2 anos por motivos de saúde
    2:14
  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Portugal compromete-se a enviar profissionais de saúde para África
    2:39
  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • Karlie Kloss, o "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59