sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Empresas de Trump devem mais de 573 milhões de euros

© Carlo Allegri / Reuters

As empresas detidas por Donald Trump têm uma dívida de 650 milhões de dólares (573 milhões de euros), mais do dobro do que foi declarado oficialmente na sua campanha presidencial, noticiou este sábado o New York Times.

O jornal contratou uma empresa para procurar toda a informação relativa a mais de 30 propriedades nos Estados Unidos ligadas ao candidato republicano, incluindo escritórios e campos de golfe.

Além da dívida de 650 milhões de dólares, o jornal refere que uma "parte substancial da sua riqueza está amarrada a três parcerias passivas que devem mais 2.000 milhões de dólares (1.765 milhões de euros)" a um conjunto de credores.

De acordo com o New York Times, a dívida poderá afetar significativamente a saúde financeira de Trump.

A campanha presidencial do magnata milionário tem destacado o seu sucesso no negócio imobiliário, reclamando uma fortuna de 10 mil milhões de dólares (cerca de 8,8 mil milhões de euros) e sublinhando que a sua visão empresarial é uma das suas maiores qualificações para a corrida à presidência dos Estados Unidos.

No entanto, Trump rejeitou a crescente pressão, mesmo dentro do Partido Republicano, para que divulgue a sua declaração fiscal e permita uma avaliação independente dos seus ativos.

A informação que consta na campanha mostra que os seus negócios devem, pelo menos, 315 milhões de dólares (278 milhões de euros), refere o New York Times na edição deste sábado, que acrescentou que a informação parece ser precisa e que Donald Trump não é obrigado a revelar todas as suas atividades empresariais.

Embora o jornal não acuse Trump de qualquer delito, a investigação "revela o quanto o negócio de Trump continua envolto em mistério".

A investigação também descobriu que a fortuna de Trump "depende profundamente numa grande variedade de financiadores, incluindo um que o próprio citou num dos ataques durante a sua campanha", escreve o New York Times.

Entre os seus credores consta um dos maiores bancos na China - país que o candidato republicano acusa de ser inimigo económico dos Estados Unidos - e o banco de investimento Goldman Sachs, que Trump afirma influenciar a sua rival democrata Hillary Clinton.

Enquanto presidente dos Estados Unidos da América, refere o jornal, Trump teria a capacidade de exercer uma maior influência no seu império empresarial e situação patrimonial.

Lusa

  • Chefe de campanha de Donald Trump demite-se

    Eleições EUA 2016

    Paul Manafort, diretor da campanha de Donald Trump e alvo de alegada corrupção, demitiu-se esta sexta-feira. O anúncio foi feito pela equipa de campanha do candidato republicano à Casa Branca. Isto acontece no mesmo dia em que um congressista republicano luso-americano retira o apoio a Donald Trump.

  • Trump como nunca o viu
    2:53

    Eleições EUA 2016

    Donald Trump como nunca foi visto. As estátuas do candidato republicano nu começaram a aparecer em várias cidades norte-americanas. As figuras criadas com argila e silicone foram produzidas por ativistas que pretendem travar a caminhada do candidato à Casa Branca. Isto, numa altura em que Trump começa a cair nas sondagens.

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01