sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Clinton diz que está melhor e que regressa à campanha nos próximos dias

A candidata à Presidência dos EUA Hillary Clinton garantiu esta segunda-feira que está melhor, depois de se ter sentido mal na cerimónia evocativa dos atentados do 11 de Setembro, e que volta à campanha dentro de alguns dias.

"Estou muito melhor", disse Clinton à televisão norte-americana CNN, numa conversa por telefone.

A candidata do Partido Democrata à Casa Branca, que tem uma pneumonia, segundo os seus médicos, afirmou que sentiu uma tontura na cerimónia do 11 de Setembro, em Nova Iorque, que perdeu o equilíbrio por alguns momentos, mas que não chegou a desmaiar.

Segundo Clinton, depois de ter abandonado a cerimónia, assim que entrou numa viatura com ar condicionado e bebeu um pouco de água, sentiu-me melhor, garantindo que voltará à campanha presidencial nos próximos dias.

Hillary Clinton explicou que os médicos a tinham aconselhado a descansar durante alguns dias, mas que ignorou a recomendação, sublinhando que era senadora pelo estado de Nova Iorque em 2001, ano dos atentados de Nova Iorque, e que estar presente na cerimónia anual que lembra as vítimas é uma questão pessoal e importante para si.

Após a indisposição, Clinton cancelou uma viagem à Califórnia esta semana, no âmbito da campanha eleitoral.

O seu rival do Partido Republicano na corrida à Casa Branca, Donald Trump, desejou na segunda-feira as melhoras a Clinton e disse que vai revelar em breve os resultados de um exame médico que fez na semana passada.

"Espero que ela [Clinton] se recupere e que regresse à campanha", afirmou Trump à cadeia de televisão Fox, acrescentando que a saúde dos candidatos à Presidência norte-americana passou a ser um tema da campanha.

Na segunda-feira, um porta-voz de Clinton já havia dito que a candidata não tem outros problemas além de uma pneumonia e que deverá retomar a campanha a meio desta semana.

"Não há qualquer outra doença por revelar, é só pneumonia", disse o porta-voz Brian Fallon à estação MSNBC um dia depois de Hillary Clinton, de 68 anos, se ter sentido mal e de a sua campanha ter anunciado que lhe tinha sido diagnosticada uma pneumonia.

"Espero que a meio ou perto do final da semana, ela esteja de volta ao circuito da campanha", indicou, acrescentando que "se a decisão fosse dela, já estaria na rua hoje".

Fallon disse também que a campanha democrata vai divulgar novos dados clínicos para ajudar "a tranquilizar quaisquer preocupações que persistam" sobre o estado de saúde da candidata presidencial, ex-secretária de Estado e ex-primeira-dama norte-americana.

Lusa

  • Trump deseja rápidas melhoras a Hillary Clinton
    2:00

    Eleições EUA 2016

    Donald Trump já desejou rápidas melhoras a Hillary Clinton, a quem foi diagnosticada uma pneumonia. Devido à indisposição que a obrigou a abandonar a cerimónia do aniversário dos atentados do 11 de setembro, a candidata democrata cancelou dois dias de campanha na Califórnia.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".