sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

"O Presidente Obama nasceu nos Estados Unidos, ponto final"

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, reconheceu esta sexta-feira que o Presidente norte-americano, Barack Obama, nasceu nos Estados Unidos, um recuo que põe fim às dúvidas que alimentou sobre a questão durante anos.

"O Presidente Obama nasceu nos Estados Unidos, ponto final", declarou Donald Trump num encontro com antigos combatentes em Washington.

O controverso candidato presidencial encerrou assim uma polémica conspiratória que datava da primeira campanha presidencial de Barack Obama, em 2008, e que Trump alimentou com insistência.

O multimilionário aproveitou a oportunidade para acusar a sua adversária democrata, Hillary Clinton, e a sua campanha de 2008 de terem iniciado esta polémica, o que todos os especialistas desmentem.

Numa entrevista televisiva transmitida na quinta-feira à noite, Trump recusou-se a responder à pergunta sobre o local de nascimento de Obama, que divulgara, em 2011, a sua certidão de nascimento, comprovando ter nascido no Havai, em 1961.

"Responderei a essa questão no momento oportuno. Não quero responder ainda", disse o magnata ao diário The Washington Post.

A campanha de Donald Trump, tentando abafar a nova polémica -- que surgiu depois de ter criticado a vantagem de Hillary nas sondagens e quando está a tentar melhorar a sua imagem junto do eleitorado negro -- divulgou então um comunicado afirmando: "Tendo conseguido obter a certidão de nascimento do Presidente Obama quando outros não conseguiram, Trump acredita que o Presidente Obama nasceu nos Estados Unidos".

A questão do local de nascimento de Barack Obama, ou de qualquer outro candidato à Casa Branca, é importante, porque é preciso um cidadão ter nascido nos Estados Unidos para se poder tornar Presidente.

Hillary Clinton reagiu de imediato ao ressurgimento da polémica.

"Durante cinco anos, ele liderou o movimento que visava tornar ilegítimo o nosso primeiro Presidente negro. A sua campanha assentou nessa mensagem de ódio. A história não se apaga", declarou hoje a senadora num discurso em Washington, considerando que Trump deve "um pedido de desculpas" ao Presidente e aos norte-americanos.

O senador Bernie Sanders, que foi candidato à nomeação democrata para a Casa Branca, condenou na CNN "os racistas do país, que nunca aceitaram o facto de termos um Presidente negro".

O próprio Barack Obama reagiu hoje à polémica, afirmando esperar que a campanha eleitoral se centre em assuntos "mais sérios" que o seu local de nascimento.

"A minha esperança é que as eleições para a Presidência reflitam assuntos mais sérios que este", disse o chefe de Estado, num breve comentário à imprensa após uma reunião na Sala Oval.

Obama disse ter "muita certeza" do lugar onde nasceu (Havai) "como a maioria dos cidadãos" tem, depois de alertar que "há muito por fazer" e evitar entrar na polémica.

O candidato republicano à Casa Branca anda há anos a questionar que Obama seja norte-americano, alimentando teorias da conspiração sobre o seu local de nascimento.

Em 2012, depois de o chefe de Estado ter divulgado a sua certidão de nascimento, Trump escreveu no Twitter: "Uma fonte extremamente fidedigna telefonou para o meu escritório e disse-me que a certidão de nascimento de Obama é falsa".

Em setembro de 2014, igualmente na rede social Twitter, o multimilionário convidou piratas informáticos a encontrarem o processo universitário de Obama para verificar o seu local de nascimento.

Lusa

  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.