sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Obama aconselha Hillary a ser ela mesma no primeiro debate

O Presidente dos Estados Unidos, o democrata Barack Obama, aconselhou esta sexta-feira a candidata presidencial do Partido Democrata Hillary Clinton a ser "ela mesma" no primeiro debate televisivo com o rival republicano Donald Trump.

O primeiro dos três debates presidenciais previstos está agendado para a próxima segunda-feira (dia 26 de setembro) e será realizado na Universidade Hofstra em Long Island (Nova Iorque).

O debate entre os dois principais candidatos nas eleições presidenciais de 08 de novembro deverá bater recordes de audiências e irá ser analisado exaustivamente.

"Fiquei a conhecer Hillary, vi o seu trabalho e vi-a em momentos difíceis e em momentos fáceis", declarou o chefe de Estado norte-americano à estação ABC News a propósito da sua antiga secretária de Estado.

Os Estados Unidos, sublinhou Obama, nunca teve uma mulher na Presidência e Hillary Clinton "vai derrubar certas barreiras".

"Existe um nível de desconfiança e uma caricatura dela que não enquadra com a pessoa que conheço, uma pessoa que se preocupa profundamente com as crianças", disse.

"Ela é motivada por um profundo desejo de melhorar as coisas", insistiu Obama.

Quando questionado sobre qual seria o seu conselho para a candidata democrata, muito experiente ao nível de cargos políticos mas que suscita pouco entusiasmo junto do eleitorado, para o debate de segunda-feira, Barack Obama respondeu: "Seja ela mesma e que explique aquilo que a motiva".

A 46 dias das eleições presidenciais, a votação antecipada nos Estados Unidos já começou e cerca de 6.000 americanos já fizeram a sua escolha, segundo noticiou hoje a publicação norte-americana The Atlantic, que precisou que em algumas partes do estado do Wisconsin a votação antecipada começou na segunda-feira.

O título norte-americano referiu igualmente que vários milhões de eleitores já pediram os respetivos 'absentee ballots', os boletins de voto para eleitores que não podem comparecer pessoalmente nas assembleias de voto no dia das eleições.

Por exemplo, os eleitores dos estados do Minnesota e da Virgínia que já tenham o respetivo 'absentee ballot' poderão entregar o seu voto a partir de hoje.

Outros estados, nomeadamente alguns dos chamados "swing states" (estados que não têm uma tendência de voto definida e que são fortemente disputados e que podem decidir uma eleição) como Florida, Ohio, Iowa e Carolina do Norte, começaram a receber os pedidos para estes boletins de voto para eleitores ausentes.

Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.