sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Palestinianos acusam Trump de desprezar Direito Internacional

© Mike Segar / Reuters

Representantes palestinianos criticaram esta segunda-feira fortemente a promessa eleitoral do candidato republicano nas eleições presidenciais norte-americanas, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital "indivisa" de Israel caso seja eleito para a Casa Branca.

"Esta declaração despreza o direito internacional e a política de longa data adotada pelos Estados Unidos sobre o estatuto de Jerusalém, nomeadamente sobre a ocupação e a anexação ilegal de Jerusalém leste", a zona palestiniana de Jerusalém, afirmou o "número dois" da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erakat, citado num comunicado.

A campanha de Trump anunciou no domingo à noite, após um encontro entre o multibilionário e o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu em Nova Iorque, que o candidato republicano à Casa Branca reconheceu que "Jerusalém tem sido a eterna capital do povo judeu há mais de três mil anos".

A equipa do candidato frisou ainda que, sob uma futura administração Trump, os Estados Unidos "vão reconhecer Jerusalém como a capital indivisa do Estado de Israel".

A questão de Jerusalém é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano, um dos mais antigos do mundo.

Israel ocupa Jerusalém leste desde 1967 e declarou, em 1980, toda a cidade de Jerusalém como a sua capital indivisa. Os palestinianos querem fazer de Jerusalém leste a capital de um desejado Estado palestiniano, coexistente em paz com Israel.

Os Estados Unidos, como a maioria da comunidade internacional, não reconhecem Jerusalém como a capital de Israel. Washington mantém a sua embaixada em Telavive.

A solução dos dois Estados tem sido a peça central dos vários projetos internacionais de regulação do conflito israelo-palestiniano.

As várias declarações do conselheiro de Trump para as relações com Israel, David Friedman, significam "um abandono total da solução dos dois Estados", afirmou ainda o representante da OLP.

Já a diplomacia palestiniana criticou tanto as declarações de Trump como as posições defendidas pela sua rival democrata Hillary Clinton, acusando a candidata do Partido Democrata de favorecer excessivamente Israel em detrimento dos palestinianos.

"O Estado da Palestina não vai servir como moeda de troca para ganhar o voto judeu nos Estados Unidos", indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros palestiniano num comunicado.

As declarações dos dois candidatos "encorajam os princípios da coligação de direita no poder em Israel de prosseguir com as violações do Direito Internacional e com os crimes contra o povo palestiniano", acrescentaram as autoridades palestinianas.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.