sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Palestinianos acusam Trump de desprezar Direito Internacional

© Mike Segar / Reuters

Representantes palestinianos criticaram esta segunda-feira fortemente a promessa eleitoral do candidato republicano nas eleições presidenciais norte-americanas, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital "indivisa" de Israel caso seja eleito para a Casa Branca.

"Esta declaração despreza o direito internacional e a política de longa data adotada pelos Estados Unidos sobre o estatuto de Jerusalém, nomeadamente sobre a ocupação e a anexação ilegal de Jerusalém leste", a zona palestiniana de Jerusalém, afirmou o "número dois" da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erakat, citado num comunicado.

A campanha de Trump anunciou no domingo à noite, após um encontro entre o multibilionário e o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu em Nova Iorque, que o candidato republicano à Casa Branca reconheceu que "Jerusalém tem sido a eterna capital do povo judeu há mais de três mil anos".

A equipa do candidato frisou ainda que, sob uma futura administração Trump, os Estados Unidos "vão reconhecer Jerusalém como a capital indivisa do Estado de Israel".

A questão de Jerusalém é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano, um dos mais antigos do mundo.

Israel ocupa Jerusalém leste desde 1967 e declarou, em 1980, toda a cidade de Jerusalém como a sua capital indivisa. Os palestinianos querem fazer de Jerusalém leste a capital de um desejado Estado palestiniano, coexistente em paz com Israel.

Os Estados Unidos, como a maioria da comunidade internacional, não reconhecem Jerusalém como a capital de Israel. Washington mantém a sua embaixada em Telavive.

A solução dos dois Estados tem sido a peça central dos vários projetos internacionais de regulação do conflito israelo-palestiniano.

As várias declarações do conselheiro de Trump para as relações com Israel, David Friedman, significam "um abandono total da solução dos dois Estados", afirmou ainda o representante da OLP.

Já a diplomacia palestiniana criticou tanto as declarações de Trump como as posições defendidas pela sua rival democrata Hillary Clinton, acusando a candidata do Partido Democrata de favorecer excessivamente Israel em detrimento dos palestinianos.

"O Estado da Palestina não vai servir como moeda de troca para ganhar o voto judeu nos Estados Unidos", indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros palestiniano num comunicado.

As declarações dos dois candidatos "encorajam os princípios da coligação de direita no poder em Israel de prosseguir com as violações do Direito Internacional e com os crimes contra o povo palestiniano", acrescentaram as autoridades palestinianas.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.