sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Em Portugal Hillary Clinton seria eleita com 85% dos votos

Se os portugueses pudessem votar nas eleições presidenciais nos Estados Unidos, a candidata democrata Hillary Clinton venceria de forma destacada com 85% dos votos, contra os 5% registados pelo rival republicano Donald Trump, indica um estudo divulgado esta quinta-feira.

Estes dados figuram numa sondagem realizada pela Win Gallup International (rede internacional da qual a empresa portuguesa Marktest é associada) em 45 países, incluindo em Portugal e nos Estados Unidos.

"Imagine que poderia votar nas eleições para a escolha do Presidente Americano, em quem votaria?" foi uma das várias questões colocadas aos inquiridos.

"Portugal foi o país que deu maior vantagem a Hillary Clinton sobre Donald Trump, no conjunto dos 45 países inquiridos. Na sondagem conduzida pela Marktest, 85% dos portugueses votariam Clinton, 5% Trump e 10% não sabem ou não responde à questão", referiu a empresa portuguesa de market research e medição de audiências de media.

Em termos globais, 59% dos inquiridos votariam em Hillary Clinton para ser a nova hóspede da Casa Branca, 25% em Donald Trump, enquanto 16% não sabe ou não responde à questão.

A ex-secretária de Estado norte-americana venceria destacadamente na generalidade dos países envolvidos no estudo. A exceção seria a Palestina e a Rússia, onde Donald Trump sairia vencedor, com 40% e 33% de intenções de voto, respetivamente.

Nos Estados Unidos, os cidadãos que serão efetivamente chamados às urnas são os que se mostram mais indecisos.

"Embora Hillary Clinton tenha vantagem sobre Donald Trump, a diferença entre ambos é a mais pequena no conjunto dos países onde esta sondagem foi realizada. Nos Estados Unidos, 48% votaria Clinton, 41% Trump e 11% não sabe ou não responde", indicou a Marktest.

Quando questionados qual é o impacto da escolha do Presidente norte-americano nos respetivos países, 20% dos portugueses respondeu que o impacto é muito elevado e 60% elevado. Cerca de 15% respondeu que o impacto é reduzido, e apenas 1% afirmou que não há impacto.

Na análise do peso da influência americana nos interesses económicos mundiais, 30% dos portugueses consideraram que os interesses económicos americanos devem ser prioritários para o próximo Presidente americano e 61% afirmaram que a prioridade deve ser dada de igual forma aos interesses da população do mundo e dos americanos.

Este estudo foi realizado entre agosto e setembro, junto de uma amostra de 44.194 entrevistados, residentes em 45 países de todas as regiões do mundo.

Em Portugal, a Marktest foi a responsável pela recolha de informação, que consistiu num estudo 'online' junto de uma amostra de 516 indivíduos com 18 e mais anos.

As eleições presidenciais nos Estados Unidos estão marcadas para 8 de novembro.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".