sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

John McCain retira apoio à candidatura presidencial de Donald Trump

O senador John McCain, destacada figura do Partido Republicano e candidato presidencial em 2008, retirou este sábado formalmente o seu apoio à candidatura de Donald Trump devido a comentários que estão a comprometer a sua campanha para a Casa Branca.

"Queria apoiar o candidato nomeado pelo nosso partido. Não era a minha escolha, mas como candidato nomeado no passado, pensava ser importante e respeito o facto de Donald Trump ter ganho a maioria dos delegados pelas regras em vigor no nosso partido. Pensava que devia esse respeito aos seus apoiantes", refere uma declaração de McCain, o último de um crescente número de republicanos que retiraram o apoio a Trump.

"Mas o comportamento de Donald Trump esta semana, concluído com a revelação dos seus vexatórios comentários sobre as mulheres e as suas gabarolices sobre assaltos sexuais, tornam impossível que continue a fornecer um apoio mesmo que condicional à sua candidatura", salientou.

"Cindy e eu não vamos votar em Donald Trump", acrescenta, numa referência à sua mulher.

"Nunca votei num candidato presidencial democrata e não vou votar por Hillary Clinton. Vamos escrever (no boletim de voto) o nome de algum bom conservador republicano habilitado para ser presidente", concluiu.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.