sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Venezuela condena campanha que compara Chávez com Trump

© Jonathan Ernst / Reuters

O governo venezuelano condenou esta quarta-feira uma campanha política do Partido Democrata dos Estados Unidos (EUA), que apoia a candidatura de Hillary Clinton, por comparar o candidato adversário, Donald Trump, a Hugo Chávez.

"A República Bolivariana da Venezuela condena categoricamente o atroz e infame vídeo do Partido Democrata dos EUA contra a memória do [falecido] comandante Hugo Chávez", que presidiu a Venezuela entre 1999 e 2013, anunciou a ministra venezuelana de Relações Exteriores.

Segundo Delcy Rodríguez, a "campanha eleitoral dos EUA reflete a profunda crise ética, moral e política de um sistema degradado que vira as costas ao povo".

Por outro lado, através da rede social Twitter, a ministra explica que "comparar o candidato [Donald] Trump com o comandante [Hugo] Chávez é uma expressão da arrogância racista e irracionalidade de um partido que não atende os seus eleitores".

"O comandante Chávez é um líder que transcendeu a nossa época pelo seu espírito democrático, a sua militância pelos pobres e o seu sentido universal de humanidade. Exigimos respeito pela memória eterna do comandante Hugo Chávez, ao comando de campanha do Partido Democrata, por este inescusável e aberrante vídeo", refere.

O vídeo em questão, de aproximadamente dois minutos de duração, foi divulgado pelo jornal norte-americano ´El Nuevo Herald' e nele se observam extratos em que ambos os líderes ameaçam multar e encerrar meios de comunicação social críticos e chegam inclusive a ameaçar prender os opositores.

Por outro lado tem ainda declarações do ex-presidente do México, Vicente Fox, em que afirma que "o ADN de Trump é o de um ditador em potência", e o compara com Fidel Castro, Adolfo Hitler, Hugo Chávez e Benito Mussolini.

Lusa

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.