sicnot

Perfil

Eleições França 2017

Dois em cada três franceses não ficaram convencidos com explicações de Fillon

© POOL New / Reuters

Dois em cada três franceses inquiridos numa sondagem divulgada hoje disseram não ter ficado convencidos com as explicações do candidato da direita, François Fillon, sobre os alegados empregos fictícios que criou para a mulher e dois filhos.

Na sondagem, realizada pela empresa Harris Interactive para a rádio RMC e a televisão BFM TV, apenas 26% dos 927 inquiridos, contactados após o final da conferência de imprensa de segunda-feira de François Fillon, se disseram satisfeitas com as explicações.Na conferência, Fillon pediu perdão por ter empregado a mulher e os filhos como assessores parlamentares, mas negou serem empregos fictícios, assegurando que mereceram o salário que receberam, o qual, no caso da mulher, ascendeu a quase um milhão de euros brutos em menos de uma década.

A argumentação de Fillon convenceu mais os inquiridos que se identificaram como simpatizantes da direita (58%) e em particular os que se dizem apoiantes do partido Os Republicanos (62%).

Em relação à semana passada, no auge da polémica em torno das revelações pelo semanário Le Canard Enchaîné, a percentagem dos inquiridos que consideram que Fillon deve manter a candidatura subiu quatro pontos percentuais para 35%, mantendo-se, contudo uma maioria, atualmente de 65%, de inquiridos para quem a direita deve escolher outro candidato.

Entre os simpatizantes de direita e os do partido, são mais os que querem Fillon como candidato: 59% e 67% respetivamente, em ambos os casos nove pontos percentuais acima da semana passada.Outra sondagem divulgada hoje, do instituto Ifop, revelou, segundo as intenções de voto neste momento, que a segunda volta vai ser disputada entre a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, com 25,5%, e o candidato independente Emmanuel Macron, 20,5%.

Fillon fica em terceiro lugar, com 18,5%.A primeira volta das eleições presidenciais de França realiza-se a 23 de abril e a segunda

  • Fillon pede desculpa por ter empregado a mulher e os filhos
    1:53

    Mundo

    O candidato da direita francesa às presidenciais pode vir a ser acusado de financiamento ilegal de campanha eleitoral e tráfico de influências. Numa conferência de imprensa, François Fillon pediu desculpa aos franceses por ter empregado a mulher e os filhos mas diz que não tem nada a esconder, reafirmando que os 830 mil euros pagos à esposa estão justificados.

  • Fillon não tem "nada a esconder"
    0:32

    Mundo

    François Fillon diz que não tem nada a esconder. O candidato do centro-direita às eleições presidenciais francesas mantém a candidatura. Isto aconteceu depois das autoridades judiciais estarem a investigar a suspeita de utilização de dinheiros públicos na contratação da mulher.

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • A experiência de um embaixador português na Coreia do Norte
    2:58

    País

    A Coreia do Norte tem o maior orçamento militar do mundo e o seu arsenal nuclear acaba por dar-lhe acesso a uma possível cimeira com os Estados Unidos. A pobreza e o culto da personalidade foram testemunhados pelo embaixador, José Manuel de Jesus, que visitou várias vezes Pyongyang.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.