sicnot

Perfil

Eleições França 2017

Marisa Matias cantou "Grândola Vila Morena" ao lado de Mélenchon em Paris

ETIENNE LAURENT

A eurodeputada do Bloco de Esquerda (BE), Marisa Matias, cantou esta sexta-feira, em Paris, Grândola Vila Morena no comício de encerramento da campanha de Jean-Luc Mélenchon para a primeira volta das eleições presidenciais francesas.

"Grândola Vila Morena, terra da fraternidade, o povo é quem mais ordena, dentro de ti ó cidade", cantou a eurodeputada, gritando, em francês, no final: "É o povo quem mais ordena! Encontramo-nos na segunda volta! Até breve!"

Poucos cantaram a música de Zeca Afonso mas foram muitas as palmas no final do curto discurso de Marisa Matias, seguido da intervenção de Pablo Iglesias, líder do partido espanhol Podemos.

Marisa Matias começou por desculpar-se do seu francês, apenas com sotaque mas sem erros, e destacou que "Jean-Luc é o único candidato que pensou na França realmente e pensou em metade da sociedade, as mulheres e os direitos das mulheres".

"Boa tarde, insubmissos de França! Que campanha magnífica! Estamos aqui para dizer que não estão sós. Há toda uma Europa de cooperação, de insubmissos e de insubmissas. Estamos aqui para trabalhar juntos, para dizer que há esperança e que podemos ser felizes na nossa vida. É por isso que estamos aqui, não pelo poder consagrado", declarou Marisa Matias perante o público.

Jean-Luc Mélenchon disse ter ao pé de si "o clube dos 10%, Pablo Iglesias do Podemos e Marisa Matias que fez 10% em Portugal com o Bloco de Esquerda".

O candidato da França Insubmissa afirmou que "há várias Europas" e que é possível um outro modelo "que não seja a competição mas a cooperação", considerando que ele e os seus dois convidados representam uma "Europa dos rebeldes, dos insubmissos, a Europa do Podemos, a Europa do Bloco".

No final, Marisa Matias disse à Lusa ter aceite o convite para cantar a Grândola porque foi algo que Mélenchon já lhe tinha pedido, tendo aliás sido o candidato quem começou a cantar para motivar a eurodeputada portuguesa.

"Já há alguns anos, num congresso do Parti de Gauche, o Jean-Luc Mélenchon convidou-me e praticamente obrigou-me a ir ao palco cantar o Grândola Vila Morena. Hoje tinha dito para eu tentar cantar novamente. Obviamente, eu não sei cantar mas seja como for tentei fazer-lhe o gosto porque acho que valia a pena e ele merece", explicou.

Em declarações à Lusa, Pablo Iglesias destacou que uma vitória de Mélenchon seria benéfica para Portugal e Espanha.

"Creio que muda a situação na Europa ter um presidente da República Francesa que faça frente a Merkel e que aposte na reconstrução do projeto europeu fundamentado nos velhos valores do antifascismo: liberdade, igualdade e fraternidade. Pode ser que as coisas mudem muito em Espanha e em Portugal também", afirmou.

No final, Jean-Luc Mélenchon fundiu-se na multidão de militantes e jornalistas e Marisa Matias disse "estar confiante" na passagem do candidato à segunda volta porque tem "esperança até ao fim".

Caso nenhum dos 11 candidatos seja eleito logo no domingo, com maioria absoluta, a segunda volta das eleições presidenciais está marcada para 7 de maio.

Lusa

  • Mélenchon manteve campanha apesar do ataque em Paris
    2:09

    Eleições França 2017

    O atentado desta quinta-feira em Paris alterou os planos dos candidatos para este último dia de campanha. Ao centro e à direita, Marine Le Pen, Emmanuel Macron e François Fillon anularam todas as ações de campanha. Contudo, à esquerda, Benoit Hamon e Jean-Luc Mélenchon continuaram esta sexta-feira na caça ao voto.

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15