sicnot

Perfil

Eleições França 2017

Macron e Le Pen frente a frente em duelo televisivo crucial

Às 20:00 na SIC Notícias

Gonzalo Fuentes / Reuters

Um é centrista e pró-europeu, outra é de extrema-direita, anti-Europa e anti-imigração: Emmanuel Macron e Marine Le Pen, os dois candidatos à Presidência de França defrontam-se hoje num debate televisivo crucial. A quatro dias da segunda volta das eleições, estão separados por menos de 20% das intenções de voto.

Apostados em convencer indecisos e abstencionistas, os dois candidatos prometem para hoje um duelo feroz, perante os esperados 20 milhões de espectadores entre os cerca de 47 milhões de eleitores.

Ao fim de dez dias de campanha, Macron permanece à frente das sondagens, com 59% das intenções de voto, mas Le Pen tem uns perigosos 41%. A abstenção, que muitos receiam vir a beneficiar a extrema-direita, está entre os 22 e 38% enquanto 18% ainda estão indecisos.

O fracasso na primeira volta do arauto da esquerda anti-liberal Jean-Luc Mélenchon e do conservador François Fillon deixou muitos eleitores sem querer escolher entre "o mau e o péssimo".

Os jornalistas Christophe Jakubyszyn e Nathalie Saint-Cricq vão moderar o debate

Os jornalistas Christophe Jakubyszyn e Nathalie Saint-Cricq vão moderar o debate

POOL New / Reuters

Sondagem dá 59% a Macron e 41% a Le Pen

Segundo uma sondagem divulgada hoje, a quatro dias da segunda volta, Emmanuel Macron reforçou a vantagem sobre Marine Le Pen, com 59% e 41%, respetivamente.

Embora tenha perdido um ponto percentual relativamente à sondagem anterior do instituto Ipsos Sopra-Steria, Macron teve um aumento da proporção daqueles que, manifestando a intenção de votar nele, afirmam ter a certeza de que não vão mudar de opinião: 91%.

Entre os que afirmam que vão votar Le Pen, 88% dizem-se certos de que não mudam de opinião até domingo.

Seis em cada dez eleitores que tencionam votar em Macron vão fazê-lo "por defeito" e não por apreciarem as suas ideias ou propostas.

No caso de Le Pen, 6 em cada 10 eleitores dizem votar nela por convicção.

O estudo, realizado por internet a 30 de abril e 1 de maio junto de 13.742 pessoas, precisa que o eleitorado de um e outro candidato está claramente diferenciado.

O eleitorado de Macron é predominantemente feminino (62% das mulheres dizem que vão votar Macron) e estudantil (70%), mas também mais velho (65% dos maiores de 65 anos) e residente em cidades com mais de 200 mil habitantes (64%).

Le Pen, por seu lado, obtém as maiores percentagens entre os homens (44%), agricultores (48%), profissionais independentes (45%), operários (58%), desempregados (52%) e católicos (46%). Os eleitores da candidata da extrema-direita são por outro lado maioritariamente residentes no meio rural (45%) e em localidade com menos de 100.000 habitantes.

O estudo avalia o índice de participação na segunda volta em 76%, mais quatro pontos percentuais que na anterior sondagem, realizada a 16 e 17 de abril.
Os mais determinados a votar são os eleitores que na primeira volta votaram Le Pen (87%) e Macron (88%), seguidos pelos do candidato da direita, François Fillon (76%), do socialista Benoit Hamon (73%) e do candidato da esquerda, Jean-Luc Mélenchon (66%).

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • O vestido de Jennifer Lawrence que está a dar que falar

    Cultura

    Jennifer Lawrence escolheu um vestido arrojado para usar na sessão fotografia do próximo filme e a internet reagiu. Muitas foram as críticas feitas, que davam conta de uma roupa "demasiado reveladora" para o frio que se fazia sentir em Londres. Mas Jennifer Lawrence não deixou passar, criticando os comentários "sexistas" e "nada feministas".

    SIC

  • Proposta criação de 77 mil empregos através de uma descida da TSU
    1:23
  • Governo enfrenta vaga de contestação
    2:35

    Economia

    O Governo enfrenta uma onda de contestação. Guardas prisionais, procuradores, professores, médicos e enfermeiros descontentes ameaçam com greves nos diferentes setores, já nos meses de março e abril.

  • 296 mortos em 2 dias de bombardeamentos em Ghouta Oriental
    2:16
  • Tiroteio na Florida foi o 18.º registado em meio escolar nos EUA desde janeiro
    1:25