sicnot

Perfil

Eleições França 2017

Macron e Le Pen já votaram

Macron e Le Pen já votaram

O dois candidatos à Presidência francesa, o centrista independente Emmanuel Macron e a candidata da extrema-direita Marine Le Pen, já votaram hoje na segunda volta das eleições em França.

Emmanuel Macron, favorito em todas sondagens, votou hoje na localidade de Le Touquet, no noroeste do país, sob uma grande atenção popular e dos media.


Acompanhado da mulher, Brigitte, Macron deixou a sua residência por volta das 10:45 horas locais (09:45 em Lisboa) para se dirigir à autarquia da cidade, onde depositou o seu voto um quarto de hora mais tarde.


Marine Le Pen votou hoje no seu bastião eleitoral, em Hénin-Beaumont, no norte da França, pela mesma hora que o seu rival neste sufrágio.


Com uma aparência séria e diante de um grande número de jornalistas, Marine Le Pen foi acompanhada pelo autarca da cidade, Steeve Briois, para votar.


O Presidente francês, François Hollande, também já votou hoje, em Tulle, no departamento de Corrèze, no centro do país, por volta das 10:00 horas locais (09:00 horas em Lisboa).


Entre as 08:00 e as 19:00 (07:00 e 18:00 em Lisboa), 47,5 milhões de eleitores são chamados a votar em 66.546 assembleias de voto em todo o território francês. Em algumas grandes cidades, as urnas ficam abertas até às 20:00 (19:00 em Lisboa).


Depois de uma campanha intensa e de uma primeira volta marcada pela exclusão dos partidos que tradicionalmente partilharam o poder nas últimas cinco décadas - republicano e socialista -, a eleição vai decidir-se entre os dois candidatos que se assumem como antissistema, mas que têm visões completamente diferentes sobre o futuro de França e da Europa.


Os primeiros resultados parciais e as projeções de voto começam a ser divulgados às 20:00 (19:00 em Lisboa).


A campanha de Emmanuel Macron anunciou que, se o centrista vencer a eleição, a festa -- e o discurso -- de vitória vai ser na Esplanada do Louvre, em Paris.


Já Marine Le Pen, se vencer, pretende festejar no Chalet du Lac, um antigo pavilhão de caça usado pelo imperador Napoleão III no leste de Paris.


O Presidente francês eleito tomará posse até 14 de maio, data em que termina o mandato de François Hollande.

Lusa

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Marcelo descobre que vê mal "ao longe à esquerda"
    2:05

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa recebeu uma declaração dos médicos contra a despenalização da eutanásia. A audiência ao atual bastonário e cinco antecessores acontece a uma semana do tema ir a debate no Parlamento, e no dia em que o Presidente da República foi a estrela do Dia da Segurança Infantil. Marcelo aproveitou para fazer um rastreio à visão e concluiu que tem que estar "atento", à esquerda, ao longe".

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Ministro volta a não se comprometer com aumento dos salários
    2:51

    Economia

    O ministro das Finanças diz que a falta de enfermeiros no Hospital de Santa Maria é meramente transitória. Durante a audição no parlamento, o ministro também foi pressionado, à esquerda e à direita, para aumentar os salários na Função Pública, mas voltou a não se comprometer.