sicnot

Perfil

Eleições França 2017

Principais pontos do programa económico de Macron

POOL New

O programa económico de Emmanuel Macron visa reduzir o peso do Estado na economia e liberalizar a atividade das empresas. O programa, segundo analistas da consultora de previsões económicas Oxford Economics, "tem potencial para aumentar a dinâmica económica a curto e a longo prazo e para aumentar a competitividade das exportações francesas".

Segue-se uma lista com alguns dos pontos-chave do programa de Macron para as empresas, elaborada pela agência France-Presse.

- Horário de trabalho: Macron pretende manter o horário legalmente fixado, de 35 horas semanais, mas dar margem aos patrões e aos sindicatos para negociarem adaptações.

- Desemprego: Elevado em França, com uma taxa oficial de 9,7%, Macron pretende combatê-lo com um reforço da formação e aprendizagem, prometendo por exemplo "formar um milhão de jovens e um milhão de pessoas à procura de emprego pouco ou não qualificadas e atualmente sem perspetivas".

- Empresas: O futuro Presidente prometeu reduzir encargos com os salários mais baixos, substituir certas ajudas públicas às empresas por outras reduções de encargos e baixar os impostos aplicados às empresas de 33,3% para 25%, a média europeia, para que as empresas utilizem esses fundos em investimentos e contratações.

- Despesa pública: Macron prevê reduzir 120.000 postos de trabalho na função pública e cortar 60 mil milhões de euros (55% do PIB) de despesa pública em cinco anos.A despesa pública corresponde a mais de metade do PIB de França -- 57% em 2015, segundo a OCDE -, um nível comparável ao da Finlândia, mas superior ao dos Estados Unidos (37,7%), Reino Unido (42,8%) ou Alemanha (44%).

- Investimento público: Macron promete investir 50 mil milhões, financiados através de endividamento, na transição ecológica, formação, agricultura e transportes, entre outros.O recurso ao endividamento público, defende, permite aproveitar "taxas de juro que se mantêm historicamente baixas", com as quais "o Estado pode pedir emprestado a uma taxa sensivelmente inferior à taxa de crescimento económico", evitando "o círculo vicioso do endividamento".

- Finanças públicas: O Presidente eleito afirma poder reduzir o défice público para 1% do PIB em 2022 (em 2016 foi 3,4% do PIB) e a dívida pública para 93,3% (em 2016 foi 96%).

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.