sicnot

Perfil

Eleições França 2017

Imprensa francesa destaca "dobradinha" de Macron (e abstenção)

Thibault Camus

O Presidente francês, Emmanuel Macron, fez a "dobradinha" na primeira volta das eleições legislativas, constata hoje a imprensa francesa. No entanto, a abstenção recorde impede que se fale em "Macron-mania".

"Macron caminha para uma maioria esmagadora" (Le Figaro), "Macron faz dobradinha" (L'Opinion), "A OPA" (Libération). Os títulos dos diários nacionais são claros ao destacar a cor da futura "câmara azul Macron" (L'Humanité).

"Quem acreditaria? Quem diria? Uma formação política que não existia há dois anos e passa rapidamente a ter uma insolente maioria na Assembleia Nacional, perturbando ao mesmo tempo uma paisagem política que há muito pensávamos ser imutável", comentou Paul-Henri du Limbert no jornal conservador Le Figaro.

Com 32,32% votos e projeções que atribuem 400 a 455 deputados (num total de 577) ao República em Marcha!, partido do Presidente, "Macron pode agarrar todos os poderes", frisa Laurent Joffrin no jornal de esquerda Libération.

É uma "vitória total da estratégia da renovação prometida" pelo chefe de Estado, aponta Laurent Bodin no jornal regional L'Alsace.

Mas os comentadores destacam que a elevada abstenção, um recorde histórico, impede que se fale de uma adesão total do eleitorado ao projeto de Macron.

"Nem os 24% da primeira volta das eleições presidenciais, nem os 50% da abstenção deste domingo devem dar a ilusão de uma França convertida à 'Macron-mania'", destaca Nicolas Beytout no L'Opinion.

Os resultados definitivos dão conta de uma abstenção de 51,29%, o que para o jornal L'Humanité significa que "a abstenção saiu vencedora" nas eleições.

"Para governar é melhor contar com uma adesão clara ao seu projeto e ter a oposição no parlamento, ao invés de na rua. De momento, não temos nem, uma nem outra", constata Michel Urvoy, no diário regional Ouest-France.

Com Lusa

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35