sicnot

Perfil

Eleições França 2017

Seis candidatos de origem portuguesa na corrida à 2ª volta das legislativas em França

O partido A República em Marcha! venceu a primeira volta das eleições legislativas de domingo em França, com 32,32% dos votos, segundo resultados definitivos hoje divulgados.

CHRISTOPHE PETIT TESSON/ EPA

A segunda volta das eleições legislativas de 18 de junho, em França, vai contar com seis candidatos de origem portuguesa confirmados pela agência Lusa.

Com a etiqueta "Em Marcha!', do Presidente Emmanuel Macron, foram apurados Dominique da Silva, na 7.ª circunscrição do Val d´Oise, Ludovic Mendes, na 2ª circunscrição de Moselle, Otília Ferreira, na primeira circunscrição de Charente-Maritime, e Paulo da Silva Moreira, na primeira circunscrição de Yonne, no distrito da Borgonha.


Perante a derrota histórica dos socialistas, há uma lusodescendente que se mantém na corrida eleitoral, a deputada cessante Christine Pires Beaune que se recandidata a um cargo de deputada pela segunda circunscrição de Puy-du-Dôme.


Na terceira circunscrição de Essonne, nos arredores de Paris, os eleitores vão ser confrontados com dois apelidos portugueses nos cartazes da segunda volta, com uma lusodescendente, Virginie Araújo, representante de a França Insubmissa, e uma francesa casada com um português, Laëtitia Romeiro Dias, candidata de A República em Marcha.


A estimativa inicial da associação de eleitos de origem portuguesa Cívica era de dez candidatos na segunda volta, mas quatro dos candidatos apontados não se confirmaram como sendo lusodescendentes, nomeadamente Richard Ramos na sexta circunscrição de Loiret, Diana André na primeira circunscrição de Meuse, Sophie Cruz na décima circunscrição de Rhône e Laëtitia Romeiro Dias na terceira circunscrição de Essonne que é francesa mas tem o apelido do marido português.


O presidente da associação Cívica, Paulo Marques, indicou à Lusa que "na segunda volta em 2012 havia apenas cinco candidatos de origem portuguesa e em 2007 só havia dois".


"É visível o desenvolvimento da participação cívica e política dos portugueses residentes em França. Hoje, a cidadania francesa por parte dos descendentes dos portugueses é visível, há uma real participação. O papel da Cívica é fazer com que permaneça uma ligação com Portugal", acrescentou Paulo Marques.


O também vereador em Aulnay-sous-Bois, nos arredores de Paris, disse que vai enviar, hoje, um convite aos candidatos de origem portuguesa para integrarem a associação e "um dos objetivos é levar os futuros deputados a Portugal numa viagem de estudo e serem recebidos pelo Presidente da República em outubro".


O partido A República em Marcha! venceu a primeira volta das eleições legislativas de domingo em França, com 32,32% dos votos, segundo resultados definitivos hoje divulgados.


A seguir ao partido do Presidente francês Emmanuel Macron surgem Os Republicanos (direita), com 21,56% dos votos, e a Frente Nacional (extrema-direita), com 13,20%.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.