sicnot

Perfil

Eleições França 2017

Maioria esmagadora para Macron em França, abstenção recorde de 56% e Le Pen consegue ser eleita

THIBAULT VANDERMERSCH

O partido centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, alcançou no domingo uma vitória clara na 2.ª volta das eleições legislativas, com 341 dos 577 assentos, numa eleição marcada por uma abstenção sem precedentes.

O partido presidencial "A República em Marcha" e o seu aliado MoDem, ou Movimento Democrático, conquistaram, segundo números divulgados pelo Ministério do Interior francês à 01:00 (meia noite em Lisboa) - e sem contar as circunscrições da emigração - 341 dos 577 lugares no parlamento, muito acima dos 289 necessários para a maioria absoluta.

Uma vitória que fica, no entanto, marcada pela elevada abstenção, que segundo os resultados quase definitivos atinge um recorde de 56,83%.

O resultado histórico explica-se pela vaga pró-Macron anunciada, pela longa maratona eleitoral, que começou em outubro com as primárias da direita, e com um crescente desinteresse da política.

A direita, que inicialmente esperava privar o chefe de Estado da maioria e levantar a cabeça após a derrota do seu candidato às Presidenciais, François Fillon, obteve, juntamente com o seu aliado centrista da UD 135 eleitos, segundo os números do Ministério do Interior.

Este resultado coloca o partido como principal opositor de Macron, mas esconde profundas fraturas internas, numa altura em que as linhas políticas tradicionais parecem misturar-se.Uma parte dos eleitos do partido conservador Os Republicanos e da UDI admitem apoiar caso a caso a ação do presidente centrista e o primeiro teste será o voto de confiança no novo governo do primeiro-ministro Edouard Philippe, ele próprio saído da direita moderada.

O secretário-geral dos Republicanos, Bernard Accoyer, apelou "à união" do partido para formar uma oposição "vigilante".O Partido Socialista, que controlava metade da Assembleia cessante sob a Presidência de François Hollande, caiu, juntamente com os seus aliados do PRG (partido de esquerda radical) para 43 assentos, à frente da esquerda radical (27 eleitos).

Este resultado surge na sequência da derrota do candidato socialista às Presidenciais, Benoît Hamon, que perdeu na primeira volta com apenas 6,3% dos votos.Muitos dos dirigentes socialistas perderam mesmo o seu lugar no parlamento, a começar pelo secretário-geral, Jean-Christophe Cambadélis, eliminado na primeira volta.Hoje, o responsável anunciou a sua demissão, minutos depois de as primeiras projeções mostrarem uma derrota histórica do seu partido na segunda volta das eleições legislativas.

Após conseguir passar à segunda volta das Presidenciais, a Frente Nacional de Marine Le Pen esperava tornar-se a primeira força da oposição em França, mas as divisões internas sobre o seu plano estratégico e político, nomeadamente sobre a questão da saída do euro, não lhe permitiram alcançar o objetivo.

O partido de extrema direita obteve pelo menos oito deputados, contra dois em 2012 - um número insuficiente para constituir um grupo parlamentar e assumir um papel significativo.

Ainda assim, Marine Le Pen, de 48 anos, consegue ser eleita pela primeira vez, depois de uma primeira tentativa falhada em 2012.

A França insubmissa de Jean-Luc Mélenchon reivindica pelo menos 15 assentos, sem contar com os eleitos comunistas, com quem deverá decidir se faz um grupo comum.

O partido de esquerda radical falhou no objetivo de se tornar a primeira força da oposição de esquerda no parlamento.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, deverá, entre hoje e terça-feira, e como manda a tradição, apresentar a demissão do seu governo para formar um novo, provavelmente limitado a uma ligeira remodelação. Este político da direita moderada deverá pronunciar, a 04 de julho, a sua declaração de política geral perante os deputados.

Estas eleições ficam também marcadas por uma profunda renovação: o movimento Em Marcha apelou a novos rostos, enquanto muitos dos dirigentes mais antigos foram afastados.Além disso, o parlamento passa a contar com 223 mulheres, quando nas últimas eleições, quando se alcançou o último recorde, só tinham sido eleitas 155.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59