sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Guia para proprietários de carros Volkswagen, Seat, Audi e Skoda

O escândalo relacionado com a manipulação das emissões de gases poluentes pela Volkswagen tem proporções mundiais e em Portugal existem 94.400 veículos afetados.

AP/Arquivo

AP/Arquivo

A2942/_Ingo Wagner

O grupo ainda não deu todas as explicações sobre os automóveis em causa, informando apenas que os proprietários das marcas Volkswagen, Volkswagen Veículos Comerciais, Audi, Seat e Skoda serão informados para uma chamada às oficinas de forma a retirar o dispositivo manipulador das emissões de gases poluentes.

Seguem-se respostas a algumas perguntas sobre o tema:

Com este escândalo no grupo Volkswagen, posso continuar a usar o meu automóvel?

Sim. A anomalia detetada não afeta a segurança e os veículos estão em perfeitas condições de circulação, pois as irregularidades detetadas estão relacionadas com a manipulação de emissões de gases poluentes.

O que devo fazer se tenho um carro presumivelmente afetado?

Pode colocar-se em contacto com um concessionário da marca para solicitar mais informação. Pode também contactar uma instituição de defesa do consumidor se tem intenção de colocar em tribunal a marca, seja em ação coletiva ou particular. O normal será esperar que o fabricante o contacte para uma chamada às oficinas para reajuste do motor.

Em que consistirá a chamada à oficina?

A Volkswagen disse que ainda não tem decidida a atuação concreta, mas está a trabalhar no desenvolvimento de uma solução técnica que não afete as prestações ou o consumo. No entanto, o Governo alemão fixou o dia 07 de outubro para que o grupo apresente um plano.

A solução mais lógica passa por uma reprogramação da eletrónica do motor, mas alguns especialistas avançam com outras possibilidades muito mais caras, como a inclusão de um catalisador SCR ou substituição do motor por outro mais moderno.

Esta chamada às oficinas vai custar-me dinheiro?

Nunca. A Volkswagen anunciou que a alteração será completamente gratuita para os proprietários dos automóveis.

A modificação técnica nas oficinas poderá ter consequências nas prestações ou no consumo do carro?

Ainda que a Volkswagen afirme que não, tais consequências não se podem descartar devido à natureza da programação usada nos dispositivos manipuladores. Se quiser baixar drasticamente as emissões, a quantidade de gasóleo queimada deverá ser maior, gerando mais consumo e, provavelmente, prestações diferentes das atuais.

Posso recusar-me a realizar a chamada à oficina?

Sim. Nada obrigará a realizar a modificação, mas o automóvel com o dispositivo manipulador enviará para a atmosfera altas emissões de óxidos nitrosos (NOx), o que é mau para o ambiente. Além disso, não há que descartar problemas com o controlo de emissões nas inspeções técnicas no futuro.

O Estado pode reclamar junto do proprietários dos automóveis em causa impostos não pagos por terem comprado um carro que falseia as emissões?

O ministro da Economia afirmou esta semana que o Estado vai zelar pelo cumprimento das obrigações fiscais da Volkswagen, caso seja detetada a existência de impostos que não foram pagos, e salientou que os consumidores "não podem ser penalizados". Mas como estamos à beira de eleições legislativas, um novo governo poderá ter uma opinião diferente. Para já, Pires de Lima criou uma comissão que vai acompanhar este processo.

Qual é o motor EA189?

O EA189 não é um motor em concreto, mas sim da família de motores a gasóleo anterior aos EA288 e usados até junho deste ano nos veículos mais recentes do grupo Volkswagen.

A família EA189 é composta por quatro cilindros e com duas cilindradas diferentes, 2.0 TDI e 1.6 TDI, bem como o motor de três cilindros de 1.2 TDI, colocado em algumas versões do Volkswagen Polo, Seat Ibiza, Skoda Fabia e Skoda Roomster.

Os motores EA 189 têm todos o dispositivo manipulador de emissões?

Até agora, o grupo Volkswagen não tornou pública a lista definitiva dos motores afetados, bem como os modelos em causa, mas a empresa alemã parece querer circunscrever o problema aos motores 1.6 TDI e 2.0 TDI alimentados por injeção 'common rail' e sujeitos à norma EURO5, anterior à EURO6 que entrou em vigor no passado 01 de setembro.

O escândalo foi desencadeado pelos motores 2.0 TDI, os únicos que se comercializaram nos Estados Unidos entre 2009 e 2015, embora a Volkswagen tenha confirmado que também os 1.6 TDI foram equipados pelo 'software' que enganava os testes de homologação, bem como os motores 1.2 TDI.

Quantos veículos estão equipados com o dispositivo manipulador de emissões de gases?

O grupo Volkswagen disse que eram 11 milhões em todo o mundo, um valor que correspondente ao somatório de todas as versões TDI vendidas pelas marcas Volkswagen, Audi, Seat e Skoda dotadas de um motor EA189.

Em Portugal, o importador das marcas Volkswagen, Audi e Skoda admitiu 94.400 unidades e já mais recentemente, a Seat, também do grupo Volkswagen, anunciou 23 mil carros, o que eleva para 117 mil as unidades afetadas pelo dispositivo manipulador.

Que modelos do grupo estavam equipados com motores 1.6 TDI e 2.0 TDI da família EA189?

Na gama Volkswagen usaram-se diferentes versões do Polo, Golf, Scirocco, Beetle, Eos, Jetta, Passat, CC, Touran, Sharan, Tiguan, Amarok, Caddy e Multivan.

Também foram equipados nos Audi A1, A3, TT, A4, A5, A6, Q3 e Q5; nos Seat Ibiza, Leon, Toledo, Exeo, Altea, Altea XL e Alhambra; e nos Skoda Fabia, Spaceback, Rapid, Octavia, Scout, Superb, Roomster e Yeti.

A Bosch tem alguma responsabilidade no assunto?

Como fornecedor do dispositivo manipulador dos motores EA189, a Bosch joga um papel essencial.

O fornecedor alemão reconhece que colocou o dispositivo nos automóveis 2.0 TDI destinados aos Estados Unidos, mas o fabricante de componentes recusa qualquer tipo de responsabilidade na manipulação dos valores de medição dos motores a gasóleo da Volkswagen, pois não incluía qualquer característica ilegal.

"Terminamos os componentes segundo as características fixadas pela Volkswagen, e a responsabilidade da sua aplicação e integração depende da Volkswagen", disse a Bosch.

Estou a pensar comprar um carro novo de uma das marcas do grupo Volkswagen. Que faço?

Se está nos seus planos a aquisição de um automóvel Audi, Seat, Skoda ou Volkswagen com motor TDI, pode seguir em frente porque os modelos atualmente à venda cumprem a normativa europeia de emissões EURO6 e não estão afetados.

Posso vender o meu automóvel usado mesmo sendo uma das unidades afetadas pelo escândalo?

Sim, porque a marca irá contactar o novo proprietário quando o automóvel for chamado às oficinas. Existe é o problema de o carro se desvalorizar devido aos danos da imagem de marca.

As emissões em causa, os óxidos nitrosos (NOx), são perigosas?

Ainda que tradicionalmente se dê mais atenção ao dióxido de carbono, o CO2, ou ao monóxido carbono, nos últimos tempos cresce a preocupação à volta dos óxidos de nitrogénio, o NOx, relacionados a curto prazo com ataques de asma e irritação das vias respiratórias, e a mais longo prazo com doenças cardiovasculares e respiratórias de tipo crónico.

Os NOx podem fazer uma reação com outros compostos, formando nanopartículas que, dentro do aparelho respiratório, causam ou agravam bronquites ou enfisemas pulmonares.

São permitidas as mesmas emissões de NOx nos motores nos Estados Unidos e na Europa?

Não. A norma americana é muito mais dura, pois consente um máximo de 40 mg de óxidos nitrosos por quilómetro, quando a norma EURO6 permite um máximo de 80 mg/km.

É possível que outras marcas tenham realizado emissões fraudulentas?

Ainda não se sabe. Algumas organizações não-governamentais e de proteção ambiental já vieram dizer que existe uma diferença enorme entre os dados dos testes de homologação, que são feitos com o carro parado, e a condução em situação real.

De qualquer forma, não se compara ao que o grupo Volkswagen admitiu: ter feito batota nos testes de homologação.

Lusa

  • Mais de 50 milhões de italianos decidem futuro do país
    1:43

    Mundo

    Este domingo, está nas mãos de mais de 50 milhões de eleitores italianos o futuro do país. Mais do que um voto à reforma constitucional, o referendo terá consequências políticas diretas no Governo italiano. As urnas fecham às 23h00, 22h00 em Lisboa. Os primeiros resultados são esperados meia hora depois.