sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Presidente da Volkswagen garante que tudo fará para assegurar postos de trabalho

O novo presidente do grupo Volkswagen, Matthias Müller, prometeu esta quarta-feira aos trabalhadores "um esclarecimento célere" sobre o escândalo das emissões e assegurou que o grupo tudo fará para assegurar a manutenção dos postos de trabalho.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Fabian Bimmer / Reuters

"Nós podemos e nós vamos superar esta crise, porque a Volkswagen é um grupo com uma base sólida. E, acima de tudo, porque temos a melhor equipa automóvel que alguém poderia desejar", afirmou Mathias Müller perante cerca de 20.000 trabalhadores reunidos na sede central de Wolfsburgo, na primeira assembleia convocada desde que rebentou o escândalo da manipulação dos motores a gasóleo em 11 milhões de veículos das marcas Volkswagen, Audi, Skoda e Seat.

O responsável garantiu, de acordo com um comunicado divulgado hoje pelo grupo, que tudo fará para assegurar a manutenção dos postos de trabalho no futuro, afastando, para já, a possibilidade de despedimentos no grupo.

"Além do enorme impacto financeiro que ainda não é hoje possível de quantificar, esta crise é, antes de mais, uma crise de confiança", pois trata-se "da própria essência e da identidade da nossa empresa", disse.

Müller enfatizou que a solidez, a confiança e a credibilidade pertencem à essência da marca Volkswagen, sendo a tarefa mais importante do grupo neste momento "reconquistar a confiança" dos clientes, parceiros e investidores da marca.

O presidente do grupo apelou ainda para a compreensão dos trabalhadores: "Acreditem em mim, tal como vocês, estou impaciente. Mas nesta situação, na qual estamos a lidar com quatro marcas e vários modelos, a preocupação é ainda mais importante que a rapidez".

O responsável anunciou também que a empresa vai rever todos os investimentos previstos e "cancelará ou adiará os que não sejam estritamente necessários" após o escândalo da manipulação das emissões poluentes.

O grupo Volkswagen detém em Portugal a fábrica da Autoeuropa onde são produzidos os modelos Volkswagen Eos, Scirocco e Sharan e Seat Alhambra e anunciou em março de 2014 um investimento de 670 milhões de euros e a criação de mais de 500 postos de trabalho para o período entre 2014 e 2019.

O investimento de 670 milhões de euros prevê a vinda de novos modelos para a fábrica após a descontinuação do Volkswagen Eos e permite dobrar a produção e a capacidade de exportação da empresa.

O grupo Volkswagen tinha em 2014 uma meta de investimento de 86 mil milhões de euros para os próximos cinco anos, apostando em seus novos modelos e no reforço da presença global.

O presidente do grupo alemão explicou que o plano de investimento desenhado pelo seu predecessor no cargo, Martin Winterkorn, que se demitiu devido ao escândalo, deve ser reajustado, mas o objetivo da Volkswagen é manter a sua política de postos de "seguros e de qualidade".

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.