sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Escândalo Volkswagen é "embaraçoso e vergonhoso" para os alemães

Nas ruas de Berlim, parece generalizado o sentimento de vergonha dos alemães em relação ao escândalo de manipulação de emissões poluentes pelo grupo Volkswagen e muitos temem consequências negativas graves na economia do país.

Z1031/_Jan Woitas

"Eu acho que é embaraçoso e vergonhoso mas se a Volkswagen mostrar de forma transparente o que vai acontecer com os carros afetados, talvez a crise possa ser resolvida", disse Angelika Meissner, 37 anos, à agência Lusa.

Já Michael Kerber, 46 anos, acredita que a qualidade associada aos veículos Volkswagen não vai mudar mas receia que "as consequências na economia alemã sejam muito altas devido às penalidades que o grupo tem de pagar no mercado dos Estados Unidos". Para este alemão, a empresa "pode ir à falência".

Para David Jiménez van Auken, "provavelmente todos os produtores de carros estão a falsear este género de dados".

"A verdade veio à tona agora por razões políticas que o cidadão comum desconhece e foi usado como pedra de arremesso", afirma este alemão de 27 anos, que considera que a indústria alemã pode ser ultrapassada por países como a Polónia e que "a Alemanha tem de lutar para voltar à imagem de qualidade produtiva que tinha nos 80 e 90".

Por outro lado, Tina Kirchner, 29 anos, disse que o escândalo Volkswagen pode ser "uma oportunidade de crescimento para as restantes marcas" e não acredita que a reputação da indústria alemã seja afetada de forma negativa, já que "a má publicidade vai ficar centrada na Volkswagen".

Christian, 25 anos, afirmou que a marca alemã "não fez nada que outra grande companhia não fizesse, são as dinâmicas do mundo" atual, e acrescentou que "o simbolismo da Volkswagen como carro para a classe trabalhadora não vai mudar".

O escândalo Volkswagen estalou a 18 de setembro quando a Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos acusou a Volkswagen de manipular o desempenho dos motores dos seus carros no que diz respeito à emissões de gases poluentes através de um 'software' incorporado no veículo.

O grupo reconheceu ter falseado os dados e anunciou que 11 milhões de veículos Volkswagen em todo o mundo têm equipamento que permite alterar o desempenho dos motores. A crise já levou à demissão do presidente executivo do grupo, Martin Winterkorn.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.