sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Volkswagen vai diminuir encaixe de impostos para a Alemanha em 3 mil M€

O Instituto Alemão de Pesquisa Económica estima que o pagamento de impostos da Volkswagen durante os próximos dois anos será inferior em 3 mil milhões de euros ao que o grupo alemão pagava antes do escândalo das emissões poluentes, refere a Bloomberg.

O plano prevê a chamada de veículos às oficinas para reparações que serão feitas consoante os motores.

O plano prevê a chamada de veículos às oficinas para reparações que serão feitas consoante os motores.

© Axel Schmidt / Reuters

O problema é especialmente agudo nas cidades onde a Volkswagen tem um grande número de empregados, porque existe a preocupação de haver postos de trabalho em risco.

As cidades que se tornaram sinónimo de ascensão da Volkswagen AG no auge da indústria automobilística são as que sentem agora o aperto do escândalo das emissões poluentes, e já estão a 'congelar' projetos de investimento público.

Wolfsburgo, cidade a norte da Alemanha e fundada em 1938 para construir o "carro do povo", já parou 30 projetos, incluindo parques infantis, uma pista de gelo, conservações de estradas, totalizando 17 milhões euros, em antecipação da prevista queda das receitas fiscais de uma empresa, a Volkswagen, que emprega metade dos 125 mil habitantes.

Na cidade bávara de Ingolstadt, a sede da marca Audi, está igualmente a acontecer o mesmo, com o Estado a travar os seus investimentos.

"Mesmo que a nossa cidade não tenha dívidas e sejamos capazes de fazer provisões, estamos à espera de uma queda significativa das receitas fiscais", afirmou à Bloomberg o presidente da Câmara de Ingolstadt, Klaus Mohrs Wolfsburg, que já 'congelou' as contratações até saber qual será a extensão dos danos do escândalo da Volkswagen na cidade.

"Estamos a analisar todos os projetos", acrescentou.

Em toda a Alemanha onde a Volkswagen tem instalações, as cidades estão a preparar-se para o impacto do escândalo nos seus orçamentos.

A ameaça não paira só junto daqueles que trabalham diretamente para o grupo Volkswagen, mas também de muitos que dependem das 12 marcas que a empresa representa, tais como fornecedores e serviços, principalmente em Estugarda.

Cerca de 75 mil empregos na Alemanha dependem da tecnologia 'diesel', disse o ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel, em Berlim na semana passada.

A preocupação está a espalhar-se para outras indústrias, tais como os fornecedores de metais, como cobre e alumínio, de acordo com um estudo da associação profissional de metal alemã VDM, citada pela Bloomberg.

A fábrica de motores da Volkswagen, com mais de 7.000 trabalhadores em Salzgitter, já reduziu um turno semanal na expectativa de quedas de produção.

O presidente executivo do grupo alemão, Matthias Mueller, disse num discurso no início deste mês que poderia haver cortes de investimento e possivelmente despedimentos.

Lusa

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas celebrações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.