sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Volkswagen vai diminuir encaixe de impostos para a Alemanha em 3 mil M€

O Instituto Alemão de Pesquisa Económica estima que o pagamento de impostos da Volkswagen durante os próximos dois anos será inferior em 3 mil milhões de euros ao que o grupo alemão pagava antes do escândalo das emissões poluentes, refere a Bloomberg.

O plano prevê a chamada de veículos às oficinas para reparações que serão feitas consoante os motores.

O plano prevê a chamada de veículos às oficinas para reparações que serão feitas consoante os motores.

© Axel Schmidt / Reuters

O problema é especialmente agudo nas cidades onde a Volkswagen tem um grande número de empregados, porque existe a preocupação de haver postos de trabalho em risco.

As cidades que se tornaram sinónimo de ascensão da Volkswagen AG no auge da indústria automobilística são as que sentem agora o aperto do escândalo das emissões poluentes, e já estão a 'congelar' projetos de investimento público.

Wolfsburgo, cidade a norte da Alemanha e fundada em 1938 para construir o "carro do povo", já parou 30 projetos, incluindo parques infantis, uma pista de gelo, conservações de estradas, totalizando 17 milhões euros, em antecipação da prevista queda das receitas fiscais de uma empresa, a Volkswagen, que emprega metade dos 125 mil habitantes.

Na cidade bávara de Ingolstadt, a sede da marca Audi, está igualmente a acontecer o mesmo, com o Estado a travar os seus investimentos.

"Mesmo que a nossa cidade não tenha dívidas e sejamos capazes de fazer provisões, estamos à espera de uma queda significativa das receitas fiscais", afirmou à Bloomberg o presidente da Câmara de Ingolstadt, Klaus Mohrs Wolfsburg, que já 'congelou' as contratações até saber qual será a extensão dos danos do escândalo da Volkswagen na cidade.

"Estamos a analisar todos os projetos", acrescentou.

Em toda a Alemanha onde a Volkswagen tem instalações, as cidades estão a preparar-se para o impacto do escândalo nos seus orçamentos.

A ameaça não paira só junto daqueles que trabalham diretamente para o grupo Volkswagen, mas também de muitos que dependem das 12 marcas que a empresa representa, tais como fornecedores e serviços, principalmente em Estugarda.

Cerca de 75 mil empregos na Alemanha dependem da tecnologia 'diesel', disse o ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel, em Berlim na semana passada.

A preocupação está a espalhar-se para outras indústrias, tais como os fornecedores de metais, como cobre e alumínio, de acordo com um estudo da associação profissional de metal alemã VDM, citada pela Bloomberg.

A fábrica de motores da Volkswagen, com mais de 7.000 trabalhadores em Salzgitter, já reduziu um turno semanal na expectativa de quedas de produção.

O presidente executivo do grupo alemão, Matthias Mueller, disse num discurso no início deste mês que poderia haver cortes de investimento e possivelmente despedimentos.

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.