sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Volkswagen vai diminuir encaixe de impostos para a Alemanha em 3 mil M€

O Instituto Alemão de Pesquisa Económica estima que o pagamento de impostos da Volkswagen durante os próximos dois anos será inferior em 3 mil milhões de euros ao que o grupo alemão pagava antes do escândalo das emissões poluentes, refere a Bloomberg.

O plano prevê a chamada de veículos às oficinas para reparações que serão feitas consoante os motores.

O plano prevê a chamada de veículos às oficinas para reparações que serão feitas consoante os motores.

© Axel Schmidt / Reuters

O problema é especialmente agudo nas cidades onde a Volkswagen tem um grande número de empregados, porque existe a preocupação de haver postos de trabalho em risco.

As cidades que se tornaram sinónimo de ascensão da Volkswagen AG no auge da indústria automobilística são as que sentem agora o aperto do escândalo das emissões poluentes, e já estão a 'congelar' projetos de investimento público.

Wolfsburgo, cidade a norte da Alemanha e fundada em 1938 para construir o "carro do povo", já parou 30 projetos, incluindo parques infantis, uma pista de gelo, conservações de estradas, totalizando 17 milhões euros, em antecipação da prevista queda das receitas fiscais de uma empresa, a Volkswagen, que emprega metade dos 125 mil habitantes.

Na cidade bávara de Ingolstadt, a sede da marca Audi, está igualmente a acontecer o mesmo, com o Estado a travar os seus investimentos.

"Mesmo que a nossa cidade não tenha dívidas e sejamos capazes de fazer provisões, estamos à espera de uma queda significativa das receitas fiscais", afirmou à Bloomberg o presidente da Câmara de Ingolstadt, Klaus Mohrs Wolfsburg, que já 'congelou' as contratações até saber qual será a extensão dos danos do escândalo da Volkswagen na cidade.

"Estamos a analisar todos os projetos", acrescentou.

Em toda a Alemanha onde a Volkswagen tem instalações, as cidades estão a preparar-se para o impacto do escândalo nos seus orçamentos.

A ameaça não paira só junto daqueles que trabalham diretamente para o grupo Volkswagen, mas também de muitos que dependem das 12 marcas que a empresa representa, tais como fornecedores e serviços, principalmente em Estugarda.

Cerca de 75 mil empregos na Alemanha dependem da tecnologia 'diesel', disse o ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel, em Berlim na semana passada.

A preocupação está a espalhar-se para outras indústrias, tais como os fornecedores de metais, como cobre e alumínio, de acordo com um estudo da associação profissional de metal alemã VDM, citada pela Bloomberg.

A fábrica de motores da Volkswagen, com mais de 7.000 trabalhadores em Salzgitter, já reduziu um turno semanal na expectativa de quedas de produção.

O presidente executivo do grupo alemão, Matthias Mueller, disse num discurso no início deste mês que poderia haver cortes de investimento e possivelmente despedimentos.

Lusa

  • PS vai continuar a procurar entendimentos à esquerda
    1:38
  • Carlos César admite diálogo "mais fácil" com PSD de Rio
    1:36

    País

    O presidente e líder parlamentar do PSD diz que o partido não precisa de novos aliados, mas acredita que vai ser mais fácil dialogar com o PSD liderado por Rui Rio, Carlos César visitou esta segunda-feira as regiões afetadas pelos incêndios do ano passado, no primeiro dia das jornadas parlamentares dos socialistas.

  • 22 mortos devido a gripe H1N1 no Equador

    Mundo

    Uma epidemia de gripe H1N1 provocou a morte de 22 pessoas no Equador, onde estão diagnosticados perto de 500 casos, anunciou esta segunda-feira o vice-ministro da Saúde, Carlos Duran.

  • Benfica é o único clube português na lista dos mais ricos
    1:34
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC