sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Volkswagen nega programa manipulador de emissões nos motores V6 de 3000cc

O grupo automóvel alemão Volkswagen negou esta segunda-feira a existência de um programa informático para falsear os resultados dos testes antipoluição nos motores diesel V6 (seis cilindros) de 3000 centímetros cúbicos, refutando acusações da Agência Ambiental norte-americana.

© David Gray / Reuters

"A Volkswagen sublinha que não foi instalado qualquer programa, nos blocos com motores diesel de três litros V6, para modificar de forma inapropriada" os testes antipoluição, refere em comunicado o grupo alemão.

A Agência Ambiental norte-americana denunciou hoje que a Volkswagen instalou dispositivos de manipulação de emissões poluentes em automóveis com motores 3.0, incluindo o Touareg 2014, o Porsche Cayenne 2015 e o Audi A6 Quattro 2016, noticiou a Bloomberg.

A entidade adianta que este 'kit' fraudulento foi também incorporado nos modelos automóveis A7 Quattro, A8, A8L e Q5, de 2016.

A instalação deste dispositivo tecnológico permitiu que estes veículos passassem nos testes poluentes, embora as emissões fossem nove vezes superiores ao permitido por lei.

O fabricante automóvel alemão terá instalado o dispositivo fraudulento para enganar os testes em modelos entre 2014 e 2016.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.