sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Ações da Volkswagen caem 8% na abertura da bolsa de Frankfurt

As ações da Volkswagen (VW) iniciaram hoje a sessão a cair 8% na bolsa de Frankfurt depois de conhecidas novas irregularidades nos motores de alguns dos seus modelos e que podem significar custos milionários para o grupo.

Reuters/ Arquivo

A própria empresa admitiu na terça-feira que, além dos problemas conhecidos, detetou também "irregularidades" na certificação de emissões de gases de dióxido de carbono (CO2), que afetam cerca de 800.000 veículos do grupo.

Segundo informou o grupo VW num comunicado, no caso das investigações sobre os motores a gasóleo por acusações das autoridades ambientais dos Estados Unidos - centradas nas emissões de óxido de nitrogénio (NOx)-, também se detetaram dados irregulares de emissões de CO2.

Sem especificar as marcas ou modelos, o grupo VW acredita que este caso pode afetar 800.000 veículos, principalmente de motores a diesel.

Em setembro, depois do escândalo das emissões poluentes, que afetam 11 milhões de carros, a VW já anunciou uma provisão de 6.700 milhões de euros.

Lusa

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.