sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Volkswagen nega qualquer "mentira" no caso das emissões poluentes

O presidente executivo da Volkswagen, Matthias Müller, negou hoje que tenha havido "mentira" no caso dos veículos com um dispositivo no motor para contornar os testes antipoluição, numa entrevista à rádio norte-americana NPR.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Fabian Bimmer / Reuters

"Era um problema técnico (...). Não fizemos a interpretação correta da lei norte-americana e fixámos determinados objetivos para os nossos engenheiros. Eles resolveram o problema, atingiram os objetivos com recurso a um dispositivo que não é compatível com a lei norte-americana. Foi isso que aconteceu", declarou.

"Não mentimos. Não percebemos qual era a questão. Começámos em 2014 a trabalhar para resolver o problema", acrescentou.

Questionado sobre se considerava a atitude da Volkswagen "ética", Müller disse que não percebia a pergunta, mas reiterou nesta entrevista as desculpas que tinha apresentado no domingo à margem do salão automóvel de Detroit, nos Estados Unidos.

O presidente do grupo repetiu que está empenhado em encontrar as soluções adequadas para os clientes, logo que possível.

Na quarta-feira, Müller vai reunir-se com a dirigente da agência norte-americana para a proteção do ambiente (EPA), Gina McCarthy.

"Vamos discutir com a EPA na quarta-feira e veremos se o nosso calendário é ou não apropriado", precisou.

Nos Estados Unidos, o grupo, acusado de ter desrespeitado as normas antipoluição, pode ter de pagar uma multa de pelo menos 20 mil milhões de dólares.

Estas declarações suscitaram reações na imprensa alemã. A edição 'online' do Spiegel escreve que "a impressão que Müller deixa nos Estados Unidos não pode ser mais desastrosa".

Segundo o mesmo texto, "as autoridades norte-americanas que estão a investigar o caso apontaram que a Volkswagen não está a cooperar o suficiente e está a minimizar o escândalo. Depois desta entrevista as desculpas oficiais apresentadas por Müller acabam por perder todo o valor".

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida