sicnot

Perfil

Euro 2016

Euro 2016

Euro 2016

Collina diz que Euro2016 é bom para introduzir tecnologia da linha de golo

O chefe da arbitragem da UEFA, o italiano Pierluigi Collina, defendeu esta terça-feira que o Euro2016 de futebol, em França, "é uma boa oportunidade para a UEFA introduzir a tecnologia de linha de golo numa grande competição".

Collina lembrou que "a grande área é a zona mais crucial do terreno de jogo" e que "as ações que aí decorrem têm uma influência decisiva nos jogos". (Arquivo)

Collina lembrou que "a grande área é a zona mais crucial do terreno de jogo" e que "as ações que aí decorrem têm uma influência decisiva nos jogos". (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

"Sentimos que, com a proximidade do campeonato da Europa, esta é uma boa oportunidade para a UEFA introduzir a tecnologia de baliza numa grande competição", disse Collina ao site do organismo que dirige o futebol europeu.

Para o dirigente, esta tecnologia "complementaria" o trabalho dos árbitros de baliza, cuja tarefa principal não é "decidir se a bola ultrapassa ou não a linha".

"Efetivamente, são os responsáveis por controlar tudo o que acontece na área em geral, ajudando o árbitro principal a tomar decisões importantes na área", vincou.

Segundo Collina, para julgar as dúvidas quanto a possíveis golos, os juízes deviam "centrar-se na linha antes que a bola chegue", pelo que podiam "perder algo que acontece ao mesmo tempo em outro lugar na área".

"Isto pode reduzir a efetividade da ajuda que se supõe devem prestar ao árbitro. Com a tecnologia da linha de golo, os árbitros assistentes adicionais libertam-se dessa exigente tarefa e podem centrar-se exclusivamente no controlo de outros incidentes em campo", reforçou.

Collina lembrou que "a grande área é a zona mais crucial do terreno de jogo" e que "as ações que aí decorrem têm uma influência decisiva nos jogos".

Lusa

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.