sicnot

Perfil

Euro 2016

Euro 2016

Euro 2016

"Os adeptos podem deslocar-se a França sem medo", assegura responsável do Euro 2016

O diretor-executivo do Campeonato da Europa de futebol de 2016, Martin Kallen, motivou hoje os adeptos a deslocarem-se "sem medo" a França, insistindo que não haverá jogos disputados à porta fechada.

Martin Kallen, diretor-executivo do Campeonato da Europa de futebol de 2016.

Martin Kallen, diretor-executivo do Campeonato da Europa de futebol de 2016.

© Kacper Pempel / Reuters

Em entrevista à agência EFE, o responsável de operações da UEFA, que também foi diretor executivo do Euro2004, em Portugal, garantiu que a segurança "é uma prioridade para a organização e para a UEFA".

"A segurança no Euro 2016 é a maior prioridade da UEFA, organização e autoridades francesas. Há três anos que todos estão a trabalhar para garantir um torneio seguro, para que o grande foco seja uma celebração popular do futebol. Os adeptos podem deslocar-se a França sem medo", explicou Martin Kallen.

Neste sentido, o dirigente insistiu que não há planos para que alguns jogos decorram à porta fechada: "Todos serão abertos ao público."

Martin Kallen também garantiu que os atentados em Paris e Bruxelas não motivaram devolução de bilhetes, embora não tenha excluído a hipótese de alguns adeptos estejam ainda a ponderar se viajam para território francês.

"Até ao momento, não houve devolução de bilhetes, mas não pode excluir-se a hipótese de algumas pessoas não viajarem para França, apesar de os níveis de segurança serem extremamente altos. Continuamos convencidos que tudo decorrerá normalmente", sublinhou o responsável, que também coordenou o Europeu de 2008, cuja organização foi partilhada por Áustria e Suíça.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".

  • O regresso a casa depois do incêndio no Sardoal
    2:43
  • Cerca de 20 mil portugueses vivem em Barcelona
    1:44